Emprego e correlação verbal

Emprego e correlação verbal

No final da postagem tem uma videoaula bem interessante.

E você, qual o concurso você vai fazer? Deixe um comentário para mim, pois posso fazer postagens direcionadas para ele e te ajudar mais. Aproveita também para inscrever seu e-mail para receber conteúdos todos os dias.

Dica: Para você que não esta encontrando o conteúdo que precisa ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada no site Apostilas Opção, lá eles tem praticamente todas as apostilas atualizadas de todos os concursos abertos. Caso queira saber por que indico as Apostilas Opção clique aqui!

Bons estudos!

emprego dos modos e tempos verbais

modos

Três são os modos: indicativo, subjuntivo imperativo. Normalmente, o indicativo exprime certeza e é o modo típico das orações coordenadas e principais; o subjuntivo exprime incerteza, dúvida, possibilidade, algo hipotético e é mais comum nas subordinadas; por fim, o imperativo exprime ordem, solicitação, súplica.

Há construções que permitem tanto um modo como outro, algo que dependerá do comprometimento do usuário e suas intenções:

Só deixe entrar os que têm a roupa adequada.
(indicativo: há certeza do fato, trabalha-se o fato de forma convicta, direta)

Só deixe entrar os que tenham a roupa adequada.
(subjuntivo: projeta-se a possibilidade, trabalha-se o hipotético, não há certeza)

 

TEMPOS

Presente do indicativo

Emprega-se o presente do indicativo para:

a) expressar simultaneidade ao momento da fala:
Agora falo eu!
Estou

b) indicar ação habitual:
A Terra gira em torno do sol.
Eles estudam todos os dias.

c) mostrar algo permanente (como uma verdade absoluta):
provérbios: Deus ajuda quem cedo madruga.
·definições: O homem é um ser racional.

d) narrar com mais atualidade (cria-se uma proximidade com o momento do fato, dando mais realismo e vivacidade; também é chamado de presente histórico):
Com a ditadura, o Brasil passa por um longo período de silêncio.
Em 1980, explosão em usina nuclear gera várias manifestações.

e) substituir o futuro do presente do indicativo:
Você volta aqui amanhã? (=Você voltará aqui amanhã?)

f) substituir o imperativo (atenuando a ordem):
Você pega o livro. (= Pegue o livro)

g) substituir o pretérito imperfeito do subjuntivo (mais usado informalmente):
Se ele não vem até aqui, seria pior para todos. (= Se ele não viesse)

h) substituir o futuro do subjuntivo (expressa certeza, convicção da ocorrência):
Se ele não vem até aqui, não pago. (= Se ele não vier até aqui)

Pretérito imperfeito do indicativo

Emprega-se o pretérito imperfeito do indicativo para:

a) expressar algo em processo, em desenvolvimento:
Eu almoçava quando ele nos chamou.

b) indicar continuidade ou fato habitual, constante, freqüente:
Eu morava nesta região.

c) indicar ação planejada que não se realizou:
Pretendíamos comprar um jornal, mas a chuva atrapalhou.
d) substituir o presente do indicativo (denota cortesia ou polidez):
Queria só uma coisa. (= Quero só uma coisa)

e) substituir o futuro do pretérito do indicativo (mais usado informalmente):
Se ele viesse, agora tudo estava  (= agora tudo estaria certo)

Pretérito perfeito do indicativo simples

Emprega-se o pretérito perfeito do indicativo simples para:

expressar algo já realizado, concluído, terminado:
Em 1970, a seleção brasileira ganhou o principal campeonato de futebol.

Pretérito perfeito do indicativo composto

Formado com o auxiliar ter (no presente do indicativo) mais o particípio do principal, emprega-se o pretérito perfeito do indicativo composto para:

a) exprimir repetição:
Os jogadores têm errado

b) indicar algo que se desenvolve até o momento da fala:
Temos superado os obstáculos.

Pretérito mais-que-perfeito do indicativo simples

Emprega-se o pretérito mais-que-perfeito do indicativo simples para:

a) expressar fato concluído que aconteceu antes de outro fato (ambos ocorridos no passado):
O avião partira quando ele enfim chegou.
Assim que ele se retirara da sala, a mulher tentou uma nova fuga.

b) substituir o pretérito imperfeito do subjuntivo (mais comum no uso literário):
Amou como se fora pela última vez. (= Amou como se fosse pela última vez)
Colhera os frutos de seus atos. (= Colheu os frutos de seus atos)

c) formar certas frases exclamativas:
Quem me dera! Tomara!

Pretérito mais-que-perfeito do indicativo composto

Formado com os auxiliares ter ou haver (no pretérito imperfeito do indicativo) mais o particípio do principal, emprega-se o pretérito mais-que-perfeito do indicativo composto com valor equivalente à sua forma simples:
Antes de fazer a correção, ele tinha realizado ampla análise do problema.
(= Antes de fazer a correção, realizara ampla análise do problema)
Futuro do presente do indicativo simples

Emprega-se o futuro do presente do indicativo simples para:

a) expressar fato posterior ao momento em que se fala:
No final do trabalho, acertaremos o pagamento.

b) indicar correlação com o futuro do subjuntivo:
Se ele fizer isso, ficarei
Quando eles se exercitarem, viverão melhor.

c) exprimir dúvida, incerteza:
Será possível o Brasil melhorar?

d) formar certas expressões idiomáticas:
Mas será o Benedito?

e) indicar ordem ou pedido (valor próximo ao imperativo):
Não matarás nem roubarás.

Futuro do presente do indicativo composto

Formado com os auxiliares ter ou haver (conjugados no futuro do presente do indicativo simples) mais o particípio do principal, emprega-se o futuro do presente do indicativo composto para:

a) exprimir fato ocorrido antes de outro (ambos no futuro):
Eles já terão saído quando vocês chegarem.

b) indicar a hipótese de algo já ter acontecido:
Já terão chegado?

Futuro do pretérito do indicativo simples

Emprega-se o futuro do pretérito do indicativo simples para:

a) exprimir dúvida, incerteza:
Naquele dia, havia umas dez pessoas com ele.

b) indicar correlação com o pretérito imperfeito do subjuntivo:
Se ele fizesse isso, ficaria

c) fazer um pedido, indicar um desejo de uma forma polida:
Vocês fariam um favor para nós?

d) indicar fato futuro que se relaciona a um momento no passado (muitas vezes expressa uma quebra de expectativa, algo frustrado, ainda não realizado):
Ele disse que viria e prometeu que me pagaria.
e) expressar indignação ou surpresa em orações exclamativas ou interrogativas:
Você faria isso de novo?

Futuro do pretérito do indicativo composto

Formado com os auxiliares ter ou haver (conjugados no futuro do pretérito do indicativo simples) mais o particípio do principal, emprega-se o futuro do pretérito do indicativo composto para:

a) indicar fato passado que aconteceria mediante condição:
Se você realmente estudasse a lição, teria alcançado a aprovação.

b) expressar dúvida em relação ao passado:
Teria tido ele uma ideia melhor?

c) exprimir hipótese, algo que deveria ter acontecido (correlaciona-se com o pretérito mais-que-perfeito do subjuntivo):
Se ele tivesse feito isso, teríamos ficado mais felizes.

Presente do subjuntivo

Emprega-se o presente do subjuntivo para:

a) expressar hipótese, algo relacionado ao desejo, à suposição, à dúvida:
Peço que na hora você não esqueça as minhas recomendações.

b) criar orações optativas (aquelas que exprimem desejo):
Deus lhe pague!Os céus te protejam!

c) compor oração subordinada quando o verbo da oração principal estiver no:
presente do indicativo:Convém que ele faça um seguro.
· imperativo: Pague ao homem para que ele se cale.

futuro do presente do indicativo:Virá para que eu a conheça.

Pretérito imperfeito do subjuntivo

Emprega-se o pretérito imperfeito do subjuntivo para:

compor oração subordinada quando o verbo da oração principal estiver no:
pretérito imperfeito do indicativo: Era nosso desejo que eles pernoitassem aqui.
· pretérito perfeito do indicativo: Pedi que eles mandassem notícias.
· futuro do pretérito do indicativo: Gostaria que ela viesse até nossa casa.

Pretérito perfeito do subjuntivo

Formado com os auxiliares ter ou haver (no presente do subjuntivo) mais o particípio do principal, usa-se o pretérito perfeito do subjuntivo para:
a) exprimir fato anterior e supostamente concluído no momento da fala:
Creio que ela já tenha trazido o livro.

exprimir fato no futuro e já terminado em relação a outro também no futuro:
Quando vocês chegarem, acredito que eles já tenham resolvido o problema.

Pretérito mais-que-perfeito do subjuntivo

Formado com os auxiliares ter ou haver (conjugados no pretérito imperfeito do subjuntivo) mais o particípio do principal, emprega-se o pretérito mais-que-perfeito do subjuntivo para:

a) expressar fato anterior a outro, ambos no passado:
Pensei que você tivesse trazido 

Futuro do subjuntivo simples

Emprega-se o futuro do subjuntivo simples para:

a) expressar fato que talvez aconteça (relaciona-se ao verbo da oração principal, que deve estar no presente ou no futuro do presente, ambos do indicativo):
Quando você trouxer o dinheiro, a dívida será esquecida.
Só receberá a senha quem estiver no local.

Futuro do subjuntivo composto

Formado com os auxiliares ter ou haver (no futuro do subjuntivo simples) mais o particípio do principal, usa-se o futuro do subjuntivo composto para:

a) expressar fato terminado antes de outro (ambos no futuro):
Só partiremos depois que ela tiver chegado com os presentes.
Sairemos daqui se eles tiverem trazido um mapa.

Imperativo

CONTINUA NA PARTE 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *