reescrita de textos de diferentes gêneros e níveis de formalidade

reescrita de textos de diferentes gêneros e níveis de formalidade

Reescrita de textos de diferentes gêneros e níveis de formalidade.

Os níveis de formalidade serão trabalhados aqui como níveis de linguagem. Eles têm relação direta com a intenção comunicativa, isto é: Qual é o objetivo do texto? Qual o contexto em que a comunicação é veiculada?

Quem é o emissor e para quem é dirigida a Comunicação?

Para entendermos melhor isso, pensemos no seguinte exemplo: recorte a fala de um juiz em um tribunal e Enderece a uma criança ou a um jovem.

Certamente o juiz não vai ser entendido, concorda?

Para que haja a devida comunicação, ele deve escolher palavras adequadas ao entendimento daquele público-alvo: a criança ou o adolescente.

Assim, os níveis de linguagem levam em conta esses estratos (camadas sociais, econômicas, culturais, etárias, situacionais), a cujo contexto a linguagem deve adaptar-se.

O que determinará o nível de linguagem empregado é o meio social no qual o indivíduo se encontra. Portanto, para cada ambiente sociocultural há uma medida de vocabulário, um modo de se falar, uma entonação empregada, uma maneira de se fazer a combinação das palavras, e assim por diante.

Com base nessas considerações, não se deve pensar a comunicabilidade pelas noções de certo e errado, mas pelos conceitos de adequado e inadequado, segundo determinado contexto. Assim, não se espera que um adolescente, reunido com outros em uma lanchonete, assim se expresse:

“Vamos ao shopping assistir a um filme”.

Naturalmente, ele vai reestruturar o seu texto (retextualizar) para se adaptar ao seu meio: “Vamos no shopping assistir um filme”.

Com base nisso, vamos aos principais níveis de linguagem:

A linguagem culta ou padrão: É aquela ensinada nas escolas e serve de

veículo às ciências em que se apresenta com terminologia especial. É usada pelas pessoas instruídas das diferentes classes sociais e caracteriza-se pela obediência às normas gramaticais. Mais comumente usada na linguagem escrita e literária, reflete prestígio social e cultural. É mais artificial, mais estável, menos sujeita a variações. Está presente em diversos gêneros textuais, como nas aulas, conferências, sermões, discursos políticos, comunicações científicas, noticiários de TV, programas culturais etc.

A linguagem culta pode ser formal ou informal. Isso depende da intenção comunicativa e do meio utilizado para tal. Pode haver comunicação de acordo com a norma culta como no exemplo:

“Dilma! Estou aqui pensando como o Brasil cresceu depois de que começou seu mandato. Quantos ministros você dispensou, por envolvimento em falcatruas…”

Veja que todas as palavras estão de acordo com a norma culta, mesmo percebendo que o pronome “você”, relacionando-se a uma personalidade política, não seria o ideal.

Mas não podemos dizer que esse emprego estaria incorreto gramaticalmente, pois, fora do contexto político, formal, cabe o direcionamento a esta pessoa como “você”, como num bate-papo entre amigos políticos, familiares de Dilma, por exemplo. O contexto não requer o tratamento cerimonioso.

Muitas vezes essa informalidade é vista nos gêneros textuais crônicas, jornais, revistas, textos literários, cartas pessoais e comunicações não oficiais.

Isso dá ao texto um desprendimento do rito, da formalidade, o qual a linguagem jornalística muitas vezes procura implementar.

Claro que um crítico político não usaria o pronome “você” direcionando-se a um presidente de qualquer país, pois o contexto não permite; mas cabe numa crônica livre, humorística, por exemplo.

Reescrevendo a mesma comunicação feita acima de cunho informal, agora de maneira formal, teremos:

“Excelentíssima Senhora Presidenta da República, Há de evidenciar em seu mandato a clareza de procedimentos, principalmente nos eventos que culminaram na exoneração de alguns Ministros.”

A linguagem popular ou coloquial: É aquela usada espontânea e fluentemente pelo povo. Mostra-se quase sempre rebelde à norma gramatical e é carregada de vícios de linguagem (erros de regência e concordância; erros de pronúncia, grafia e flexão; ambiguidade; cacofonia; pleonasmo), expressões vulgares, gírias. A linguagem popular está presente nas mais diversas situações: conversas familiares ou entre amigos, anedotas, irradiação de esportes, programas de TV (sobretudo os de auditório), novelas, expressão dos estados emocionais etc.

Veja a relação entre a formalidade e informalidade nos dois gêneros textuais:

textos científicos e publicitários:

O texto científico funciona como um outro texto qualquer: é necessário que ele tenha começo, meio e fim, seja agradável de ler, gramaticalmente correto, compreensível, coerente e mantenha conexões lógicas entre as ideias nele contidas.

Uma característica comum a praticamente todos os textos científicos é a organização nas seguintes partes: Introdução, Objetivos, Materiais e Métodos, Resultados, Discussão e Conclusões.

Também são encontrados nos textos científicos: o Título, a Autoria, Resumo, Figuras e Tabelas, Agradecimentos e Referências Bibliográficas.

Assim, entendemos que neste gênero textual é necessária a formalidade, a padronização da estrutura.

Texto publicitário:

O objetivo do texto científico é divulgar o resultado de experiências, assinalando a comprovação do objeto científico. Já o texto publicitário tem por objetivo persuadir, convencer o leitor a consumir o produto ou a ideia veiculados em anúncio de revista, outdoor ou internet.

Como a linguagem da publicidade é centrada no receptor ou destinatário da mensagem, utiliza a criatividade para seduzir o consumidor.

Muitas vezes, subverte a norma culta, para manter uma linguagem mais próxima do público-alvo.

Veja o exemplo abaixo:

“Vem pra caixa você também.”

Realizando a reescrita, em uma situação formal de comunicação, seguindo as normas gramaticais, o anúncio “Vem pra caixa você também.”

deveria ficar: Venha para a Caixa você também.

ou Vem para a Caixa tu também.

Nem sempre a linguagem apropriada para o texto publicitário é a norma culta. Isso porque o texto deve atingir determinado público. Quando a abrangência é maior, a população como um todo, muitas vezes se rompe a norma culta, para que o texto seja familiar ao leitor, soando agradável àquilo que normalmente ele ouve nas ruas. Esse é o mesmo processo de composição de músicas populares. Não importa tanto a norma culta, mas as palavras serem agradáveis aos ouvidos, trazendo uma melodia. Por isso, nas músicas, vemos algumas vezes a junção de verbo em terceira pessoa combinando com pronome de segunda pessoa, o que a norma culta não admite, mas o ritmo, a sonoridade e o público a que se quer atingir admitem.

Por exemplo: “Cantei pra ti dormir” é o verso de uma canção que possui ritmo, sonoridade agradável e melodia; mas, de acordo com a norma culta, estaria errada.

Porém, tente cantar esta música usando a norma culta: “Cantei para tu dormires”!!!!. O número de sílabas poéticas aumentou, assim, feriu o ritmo e a melodia, também a forma verbal “dormires” soa artificial perante a massa popular.

Dessa forma, estaria de acordo com a norma culta, mas a estrutura frasal não estaria adequada ao público e à musicalidade.

O mesmo ocorre com este slogan publicitário:

“Se você não se cuidar, a Aids vai te pegar.”

Perceba que o interlocutor (a quem o texto se dirige) é expresso pelo pronome “você” (terceira pessoa do singular), reforçado pelo pronome oblíquo átono “se”. Porém, em seguida, há o pronome oblíquo átono de segunda pessoa “te”. Dessa forma, percebemos que esse é o registro coloquial, soa agradável ao público, mas não é a forma culta da língua.

Então, eu lhe pergunto: o que o autor do texto da propaganda quer?

Transmitir a informação, usando a forma como a massa fala; ou soar artificial, mas estar de acordo com a norma culta?

Certamente, o comunicador quer é veicular a informação. Por isso, misturou os pronomes. Isso fere a norma culta, mas é usual em texto publicitário, desde que tenha como público-alvo a massa popular.

Podemos ter duas formas de realizar a reescrita: levar as formas verbais e os pronomes para a segunda pessoa:

Se tu não te cuidares, a Aids vai te pegar.

ou para a terceira pessoa:

Se você não se cuidar, a Aids vai pegá-lo.

Na realidade, a retextualização já foi trabalhada na aula passada nas questões de reescritura de fragmentos do texto. Aqui, esse trabalho é mais focado na adequação do uso da informalidade ou da formalidade de acordo com o contexto social.

Fonte: Texto disponibilizado na internet por Ponto dos concursos

E você, qual o concurso você vai fazer? Deixe um comentário para mim, pois posso fazer postagens direcionadas para ele e te ajudar mais. Aproveita também para inscrever seu e-mail para receber conteúdos todos os dias.

Dica: Para você que não esta encontrando o conteúdo que precisa ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada no site Apostilas Opção, lá eles tem praticamente todas as apostilas atualizadas de todos os concursos abertos. Caso queira saber por que indico as Apostilas Opção clique aqui!

Para complementar seus estudos sugiro as postagens abaixo:

4.1.2 – Substituição de palavras ou de trechos de texto

4.1.4 – Reescritura de frases e parágrafos e textos

4.1.3 – Retextualização(reescrita) de diferentes gêneros e níveis de formalidade

4.1.5 – Reorganização da estrutura de orações e de período do texto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *