Menu fechado

Vícios de linguagem

APOSTILA SME-SP 2019

APOSTILA PARA TJ-AM 2019

APOSTILA PARA MP-SP 2019

SAIBA POR QUE INDICO AS APOSTILAS OPÇÃO

No final da postagem tem duas videoaulas.

E você, qual o concurso você vai fazer? Deixe um comentário para mim, pois posso fazer postagens direcionadas para ele e te ajudar mais. Aproveita também para inscrever seu e-mail para receber conteúdos todos os dias.

Dica: Para você que não esta encontrando o conteúdo que precisa ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada no site Apostilas Opção, lá eles tem praticamente todas as apostilas atualizadas de todos os concursos abertos. Caso queira saber por que indico as Apostilas Opção clique aqui!

Bons Estudos!

Vícios de linguagem:

Qualquer desvio das normas gramaticais pode ser considerado um vício de linguagem.

Ambiguidade:

Ambiguidade é a qualidade ou estado do que é ambíguo, ou seja, aquilo que pode ter mais do que um sentido ou significado. Duplo sentido. A ambiguidade pode apresentar a sensação de indecisão, hesitação, imprecisão, incerteza e indeterminação.

Exemplos: Não sei se gosto do frio ou do calor”. “Não sei se vou ou fico

O cachorro do seu irmão avançou sobre o amigo

Pedro disse ao amigo que havia chegado”. (Quem havia chegado? Pedro ou o amigo?)

Barbarismo

É o uso incorreto de palavras quanto à grafia, pronúncia ou flexão. Assim sendo, divide-se em:

Prosódico

Erro quanto a pronúncia.

Exemplo: Solicitou a rúbrica do aluno no contrato. (correto seria rubrica)

Grafia

Erro quanto a ortografia.

Exemplo: Seguimentos (correto seria segmentos); Advinhar. (correto seria adivinhar)

Morfológico

Erro quanto a flexão.

Exemplo: Quando eu pôr o vestido. (correto seria puser)

Mórfico

Erro quanto a forma.

Exemplo: Esse tipo de calculo deve ser com um objeto monolinear. (correto seria unilinear)

Semântico

Erro quanto a significação.

Exemplo: Eu sofri no tráfico intenso. (correto seria tráfego)

Estrangeirismos

Uso desnecessário de palavras estrangeiras, devido a já existir palavras análogas no idioma.

Exemplos: show (apresentação); menu (cardápio).

Fontes: Info escola, Wikipédia e significados

Cacofonia:

Caracterizado pelo encontro ou repetição de fonemas ou sílabas que produzem um som desagradável. Constituem cacofonias: Eco, colisão e Parequema.

Eco

Repetição desagradável de terminações iguais.

Vicente já não sente dores de dente tão frequentemente como antigamente quando estava no Oriente.

OBS: O eco na prosa é considerado um vício, um defeito. Já na poesia é o fundamento da rima.

Colisão

Consiste na aliteração (repetição de fonemas idênticos ou parecidos no início de várias palavras na mesma frase) de efeito acústico desagradável.[7] – Exemplo:

Pede o Papa paz ao povo.”

comi coalhada comum.”

“É o quesito que queria que caísse.”

Parequema

Constrói-se a partir do encontro de sílabas idênticas ou semelhantes entre o final de uma palavra e o início da subsequente.

– Exemplo: “vaca cara”, “cone negro”, “teto torto”, “pouco caso”, “uma mala”, ”grife feminina”, ”31 de dezembro”.

10 DICAS DE COMO ESTUDAR E APRENDER

10 DICAS PARA PASSAR EM UM CONCURSO PÚBLICO

COMO ESTUDAR COM SONO

10 ERROS COMUNS QUE OS CONCURSEIROS DEVEM EVITAR

Solecismo

É o desvio em relação à sintaxe. Pode ser:

De concordância
– Haviam pessoas. (o certo seria havia)
– Fazem dois meses. (o certo seria faz)
– Faltou muitos alunos. (o certo seria faltaram)

De regência
– Obedeça o chefe. (o certo seria ao chefe)
– Assisti o filme. (o certo seria ao filme)

De colocação
– Tinha ausentado-me.
– Não espere-me.

Pleonasmo vicioso ou redundância

Consiste numa repetição desnecessária de um significado ou expressão em uma sentença.

– “Ele vai ser o protagonista principal da peça” (o protagonista é, necessariamente, a personagem principal).

– “Meninos, entrem já para dentro ” o verbo “entrar” já exprime ideia de ir para dentro).

Vulgarismo

É o uso linguístico popular em contraposição às normas cultas da linguagem. O vulgarismo pode ser fonético, morfológico e sintático.

Fonético

– A queda dos “erres” finais.
Exemplo:
andar→”andá”
comer→”comê”

– A vocalização do “L” final nas sílabas.

Exemplo: “méu” (= mel), “sáu” (= sal).

– A monotongação dos ditongos.

Exemplo: “estóra” (= estoura), “robar” (= roubar), afróxo(= afrouxo).

– A intercalação de uma vogal para desfazer um grupo consonantal.

Exemplo: “adevogado” (= advogado), “rítimo” (= ritmo), “pissicologia” (= psicologia), impuguinar</nowiki> (= impugnar),adimirável (= admirável), adimissão (= admissão)

Morfológico e sintático

Ocorre a simplificação das flexões nominais e verbais.

Exemplo: “Os home brigô.”

– Também o emprego dos pronomes pessoais do caso reto em lugar do oblíquo.

Exemplo: “Vi ela”, “olha eu” etc.”

Hiato

Aproximação de vogais idênticas

  • Traga a água.
  • Trago o ovo.

Gerundismo

É o uso excessivo e desnecessário da locução verbal no gerúndio (presente perfeito).

Exemplo: Fez um comentário criticando os membros da loja

Revisão: Fez um comentário que criticava os membros da loja

Plebeísmo

É qualquer vocábulo, locução ou expressão típicos da fala popular ou dos registros distensos da fala culta que, embora tidos como grosseiros, não chegam a ser tabuísmos.
Exemplos:
– “Ficou o dia inteiro aporrinhando a mãe, até que ela desistiu.” – “Esculhambou o garçom só porque o bife estava frio.” – “Já estou de saco cheio de tanta reclamação!” – “Cacete! Acho que perdi minha carteira.”

Prolixidade ou preciosismo

É o uso de uma linguagem exacerbada, para referir ideias normais, tornando o texto as vezes cansativo. Ou seja, é o uso excessivo de palavras para exprimir ideias simples. Ao texto prolixo falta objetividade, o qual quase sempre compromete a clareza e cansa o leitor. É chamado de ”falar difícil”.

– Exemplo: Na pretérita centúria, meu progenitor presenciou o acasalamento do astro rei com a rainha da noite.

Arcaísmo

É o uso de expressões antigas que estão em desuso.

Vosmecê precisa de ajuda com as malas?” → arcaísmo do pronome você

Faria-te um favor neste momento se fosse possível” → no futuro do presente e futuro do pretérito, jamais ocorre a ênclise

Obscuridade

Trata-se da construção de frases de tal modo que o sentido se torne obscuro, embaraçado, ininteligível. Em um texto, as principais causas da obscuridade são: o abuso do arcaísmo e o neologismo, o provincianismo, o estrangeirismo, a elipse, a sínquise, parêntese extenso, o acúmulo de orações intercaladas (ou incidentes) as circunlocuções, a extensão exagerada da frase, as palavras rebuscadas, as construções intrincadas e a má pontuação.

– Ex.: “No porto de Santos, o navio grego entrava o navio inglês”.

Análise: Obscuridade causada pela flexão homonímia “entrava”. Desta maneira, se “entrava” for considerado pretérito imperfeito do verbo “entrar”, a frase tornar-se-á obscura. Todavia, a forma verbal assinalada deve ser considerada flexão do presente do indicativo do verbo “entravar”.

Se gostou do artigo faça um comentário e se inscreva no site para receber todas as atualizações

Dica: Para você que não está encontrando o conteúdo que precisa ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada no site Apostilas Opção, lá eles tem praticamente todas as apostilas atualizadas de todos os concursos abertos. Caso queira saber por que indico as Apostilas Opção clique aqui!

APOSTILA PARA CRO-RS 2019

APOSTILAS PARA SESACRE 2019

APOSTILA PARA ENCCEJA 2019 ENSINO MÉDIO

APOSTILA PARA ENCCEJA 2019 ENSINO FUNDAMENTAL

CONFIRA AQUI AS MELHORES APOSTILAS DO MERCADO!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *