Descrição – ordenação de elementos descritivos

Descrição – ordenação de elementos descritivos

Descrição – ordenação de elementos descritivos

Descrever é desenhar com palavras determinada imagem, de modo que a mesma possa ser visualizada pelo leitor em sua mente.

Pode-se descrever um ser, um objeto, ambientes, paisagens ou situações. Há uma ordenação dos elementos descritivos para que você possa formar uma imagem do que se quer mostrar.

A imagem que vai se construindo é semelhante a um retrato, só que são utilizadas palavras, e por isso é chamada de imagem verbal. Dependendo da riqueza de detalhes e clareza de informações essa imagem vai se tornando mais nítida e mais acessível a todos os tipos de leitores. Esse deve ser o principal objetivo de uma boa descrição.

Na descrição o ser e o ambiente são importantes. Assim, o substantivo e o adjetivo devem ser explorados para traduzirem com ênfase uma impressão.

Os pormenores são essenciais para se distinguir um determinado momento de qualquer outro, desse modo, a presença de adjetivos e locuções adjetivas é traço distinto de um texto descritivo.

Utilização de verbos de ligação. Eles servem para ligar o sujeito ao seu predicativo, na grande maioria dos casos.

Torna-se importante ressaltar que a tipologia ora em evidência compõe-se de duas formas representativas: a objetiva e a subjetiva.

Na descrição objetiva o observador limita-se a descrever os fatos de uma forma concisa, tal e qual eles realmente demonstram ser. Neste caso o objeto é retratado de maneira fiel, isentando-se de qualquer atributo ligado à subjetividade. Vejamos um exemplo:

A garota era loura, olhos azuis, extrovertida, dinâmica e inteligente. Entrou na passarela, demonstrou toda a sua competência e sagrou-se como vencedora.

Percebe-se a predominância de uma imparcialidade absoluta no que se refere ao discurso apresentado.

Já na descrição subjetiva, o observador ao retratar o elemento em evidência, lança mão de suas próprias impressões, revelando-as por meio de instinto subjetivo, emitindo opiniões e atribuindo juízos de valor. Conforme demonstra o fragmento a seguir:

“A cama larga, coberta com uma colcha rendada, ocupava quase todo o quarto aconchegante com suas almofadas de seda e paredes cobertas de retratos familiares […] O retratos familiares eram antigos, amarelados e convencionais com seus grupos de homens e mulheres de preto, cercados de crianças de cachos e botinhas.”

Telles, Lygia Fagundes. As meninas. Rio de janeiro: Rocco, 1998.

Detectamos diante do mesmo, um certo envolvimento por parte do emissor, explicitamente retratados pelo emprego dos adjetivos: antigos, amarelados e convencionais.

Fontes: Info escola, mundo educação e Português

Composição do texto escrito:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *