Sistema monetário brasileiro: problemas

 

Sistema monetário brasileiro: problemas

Coloquei primeiramente um resumo sobre o que é o Sistema monetário Brasileiro para você ter uma noção e depois tem os problemas envolvendo o dinheiro propriamente dito.

E você, qual o concurso você vai fazer? Deixe um comentário para mim, pois posso fazer postagens direcionadas para ele e te ajudar mais. Aproveita também para inscrever seu e-mail para receber conteúdos todos os dias.

Dica: Para você que não esta encontrando o conteúdo que precisa ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada no site Apostilas Opção, lá eles tem praticamente todas as apostilas atualizadas de todos os concursos abertos. Caso queira saber por que indico as Apostilas Opção clique aqui!

Bons estudos!

O sistema monetário brasileiro é composto por regras e bancos comerciais e estatais responsáveis pela circulação da moeda. Os sistemas monetários costumam ser de responsabilidade de cada país e administrados como parte da política econômica nacional. No Brasil, a moeda vigente é o Real e o banco responsável pela administração e produção de cédulas e notas é o Banco Central. Na Europa, por exemplo, é diferente: existe um sistema transnacional que atende pelo nome de zona do euro, pois vários países da mesma região compartilham da mesma moeda.

O sistema monetário brasileiro, tal como os demais em todo o mundo, é organizado em torno de dois componentes: moeda de conta e moeda de pagamento ou real/ideal. O sistema de moeda de conta não existe materialmente, isto é, serve apenas como unidade de cálculo, por meio do qual é anunciado o valor dos produtos ou serviços. Quando se diz que um sorvete custa R$ 2 estamos fazendo uso da moeda enquanto conta. Já a moeda de pagamento ou real/ideal é a que serve como intermediária nas operações, de fato, e é composta por espécies metálicas e notas. Ou seja, no exemplo acima, uma nota de R$ 2, ou duas moedas de R$ 1, oito de R$ ,025 e assim por diante.

Parte desse sistema bancário, os bancos comerciais e estatais têm a capacidade de criar a chamada moeda escritural (saldo em conta corrente com depósitos à vista), o que permite a realização de transações sem necessidade da utilização de moeda em espécie. A moeda escritural só existe mediante a autorização do Banco Central.

Para o funcionamento da economia, os bancos têm um papel dos mais importantes. O Banco Central é responsável por emitir o papel-moeda e controlar a liquidez, ou seja, controlar a velocidade e facilidade com as quais um ativo (bens, valores, etc.) pode ser convertido em caixa. Já os banqueiros “salvam” instituições bancárias em última instância, quando estão a correr perigo e quebrar. Foi o que aconteceu em algumas delas durante a crise econômica de 2008.

Para se ter uma ideia sobre a importância de um sistema monetário, a Grécia, por exemplo, que passa por uma grave crise financeira, manteve seus bancos fechados por vários dias. O motivo era um só: se todos os correntistas decidissem sacar seus recursos de uma vez, as instituições não teriam dinheiro suficiente para pagá-los. O Banco Central grego não possui dinheiro para salvar todos os bancos comerciais de lá. Ou seja, a tal da liquidez.

Fonte: Meu negócio brilhante

O nosso dinheiro é o real.

O símbolo do real é R$.

1 real equivale a 100 centavos.

O nosso dinheiro pode ser encontrado em moedas e cédulas (notas).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Problemas:

Continua na parte 2

LINKS PARA COMPLEMENTAR SEUS ESTUDOS:
Juros e desconto simples (juro, capital, tempo, taxa e montante). Funções do 1º e 2º graus: problemas.

Sistema de medidas: decimais e não decimais.

Deseja conteúdos resumidos e de fácil entendimento? clique aqui!

2 opiniões sobre “Sistema monetário brasileiro: problemas”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *