Menu fechado

Categoria: Administração

Processo organizacional: planejamento, direção, comunicação, controle e avaliação

Processo organizacional: planejamento, direção, comunicação, controle e avaliação

 

PLANEJAMENTO:

 

As empresas não funcionam na base da pura improvisação. A estratégia empresarial é basicamente uma atividade racional que envolve a identificação das oportunidades e das ameaças do ambiente onde opera a empresa, bem como a avaliação das forças e fraquezas da empresa, sua capacidade atual ou potencial em se antecipar às necessidades e demandas do mercado ou em competir sob condições de risco com os concorrentes. Assim, a estratégia deve ser capaz de combinar as oportunidades ambientais com a capacidade empresarial em um nível de equilíbrio ótimo entre o que a empresa quer e o que ela realmente pode fazer.

Características das organizações formais: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização.

Características das organizações formais: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização.

 

Características das organizações formais:

Sob o ponto de vista formal, uma organização empresarial consiste em um conjunto de encargos funcionais e hierárquicos, orientados para o objetivo econômico de produzir bens ou serviços. A estrutura orgânica deste conjunto de encargos está condicionada à natureza do ramo de atividade, aos meios de trabalho, às circunstâncias socioeconômicas da comunidade e à maneira de conceber a atividade empresarial. As principais características da organização formal são:

  1. Divisão do Trabalho: maneira pela qual um processo complexo pode ser decomposto em uma série de pequenas tarefas.
  2. Especialização: a cada posto de trabalho tarefas simples e repetitivas que requeiram pouca experiência do executor e escasso conhecimento prévio
  3. Hierarquia: Esta divide a organização em camadas ou escalas ou níveis de autoridade, tendo os superiores autoridade sobre os inferiores.
  4. Distribuição da autoridade e da responsabilidade: concedidos pela organização ao indivíduo que nela ocupe uma posição determinada em relação aos outros
  5. Racionalismo: Em outras palavras, o maior lucro, pelo menor custo, dentro de certo padrão de qualidade.

Aspectos gerais da Administração. Organizações como sistemas abertos

Aspectos gerais da Administração. Organizações como sistemas abertos


Aspecto geral da administração

 

Conceito de Administração

É um processo que integra as funções administrativas como planejamento, organização, direção e controle que usa os recursos para obter um resultado específicos definido pela organização.

É também uma área do conhecimento que através de princípios, normas e funções visam regular os fatores de produção, para atingir os objetivos determinados pela organização e maximizar os lucros.

Caso queira aprofundar sobre as funções administrativas dá uma olhada nesta postagem: Funções Administrativas: planejamento, organização, direção e controle

NOVO!! MAPA MENTAL: Aspectos gerais da Administração. Organizações como sistemas abertos

QUESTÕES DE CONCURSOS: Aspectos gerais da Administração. Organizações como sistemas abertos

 

Se preferir no vídeo abaixo tem a postagem em vídeo e áudio:

A organização como um sistema aberto:

Com a globalização as empresas estão se preocupando mais com o ambiente externo.

O ambiente externo é IMPREVISÍVEL, tornando as variáveis externas desconhecidas e incontroláveis.

O sistema aberto é a interação da organização com o ambiente, ou seja, cada vez que o ambiente externo muda, a empresa para sobreviver adapta seus produtos, técnicas e estruturas para acompanhar estas mudanças.

Interagem com o meio ambiente, gerando relações de causa e efeito, influenciando e sendo influenciadas pelas diferentes interações com o meio.

Resumindo: O sistema aberto apresenta relações de intercâmbio com ambiente através de entradas (insumos) e saídas (produto) e, para sobreviver, deve reajustar-se às condições do meio.

Quanto mais complexas as organizações, menos previsíveis serão os comportamentos das pessoas, já que as mesmas estão em constante mudança para se adaptarem ao ambiente em que interagem.

A resiliência (capacidade do indivíduo lidar com problemas e adaptar-se a mudanças), que, no contexto das organizações, associa-se ao grau de defesa ou ao grau de vulnerabilidade do sistema diante das pressões ambientais externas.

A organização precisa conciliar dois processos opostos, imprescindíveis a sua sobrevivência que são a Adaptabilidade que é capacidade que um indivíduo tem de se adaptar de acordo com as necessidades, situações e circunstâncias e a Homeostasia que garante a rotina e manutenção do sistema.

Fronteira e limites: linha imaginária que separa o ambiente interno do ambiente externo.

Equifinalidade: Nos sistemas abertos, o mesmo estado final pode ser alcançado partindo de diferentes condições iniciais e por diferentes maneiras, ou seja, vários caminhos para atingir o mesmo objetivo.

Comportamento probabilístico e não determinístico: as organizações são sistemas abertos, são afetadas por mudanças em suas variáveis externas desconhecidas e incontroláveis em seu comportamento.

Interdependência das Partes: a organização é um sistema social com partes independentes, mas inter-relacionadas.

Entropia negativa ou negentropia: Para que uma estrutura organizacional possa ser mantida indefinidamente mantendo sua eficácia organizacional, é necessário que os sistemas abertos detenham o processo entrópico e se reabasteçam de energia, em um processo reativo de obtenção de reservas de energia que recebe o nome de entropia negativa ou negentropia.

 

As características das organizações como sistema aberto são:

Entrada: Ela recebe os insumos do ambiente externo que mantém a empresa em atividade

Transformação: Transforma estes insumos em produtos ou serviços.

Saída: Saída para o ambiente externo (venda)

Feedback: Resposta do ambiente externo que ajudará a avaliar a situação para a tomada de decisões

Resumindo: A empresa como um sistema aberto tira recursos do ambiente, processa-os e devolve-os transformados ao ambiente onde se insere.

NOVO!! MAPA MENTAL: Aspectos gerais da Administração. Organizações como sistemas abertos

QUESTÕES DE CONCURSOS: Aspectos gerais da Administração. Organizações como sistemas abertos

Características básicas das organizações formais modernas

Características básicas das organizações formais modernas

Sob o ponto de vista formal, uma organização empresarial consiste em um conjunto de encargos funcionais e hierárquicos, orientados para o objetivo econômico de produzir bens ou serviços. A estrutura orgânico deste conjunto de encargos está condicionada à natureza do ramo de atividade, aos meios de trabalho, às circunstâncias sócio-econômicas da comunidade e à maneira de conceber a atividade empresarial. As principais características da organização formal são:

  • 1. Divisão do Trabalho;
  • 2. Especialização;
  • 3. Hierarquia;
  • 4. Distribuição da autoridade e da responsabilidade;
  • 5. Racionalismo.

1. Divisão do Trabalho

Comportamento Organizacional

Comportamento Organizacional

Toda empresa, seja de pequeno, médio ou grande porte tem sua própria cultura e estrutura organizacional, que é baseada nas atitudes, crenças, valores e objetivos de cada organização. Algumas influenciam o mundo inteiro por sua ousadia e inovação, criam tendências de modelo de gestão, de atingir resultados e se transformam em referências. Já outras afetam diretamente o bem-estar e estilo de vida de seus funcionários e todas as pessoas que têm alguma relação com essas instituições, como clientes, profissionais terceirizados e até mesmo os familiares dos funcionários dessas empresas. Toda essa influência é diretamente impactada através dos comportamentos do Capital Humano, que inserido numa sociedade, também é um influenciador dos comportamentos desta.

O comportamento organizacional avalia o impacto que o indivíduo (ou grupos) provoca no microambiente, com o objetivo de melhorar a eficácia, a produtividade e os resultados de seus colaboradores, reduzindo o absenteísmo e a rotatividade para promover a “cidadania” organizacional.

O que é Comportamento Organizacional?

Lei nº 9.433, de 1º de março de 2005, e suas alterações – Contratos e compras

Lei nº 9.433, de 1º de março de 2005, e suas alterações – Contratos e compras

Esta é uma lei estadual da Bahia

Caso queira estudar direto na Lei é só clicar no link: Lei nº 9.433, de 1º de março de 2005

INOVAÇÕES DA LEI ESTADUAL Nº 9433/05: ESTUDO COMPARATIVO COM AS LEIS Nº 8.666/93 E 10.520/02

O Governo do Estado da Bahia, através da Secretaria da Administração, ou mais precisamente, da Procuradoria Geral do Estado, resolveu que iria instituir um grupo de trabalho para elaborar um Anteprojeto da Lei Baiana de Licitações. Tal intenção se deu, tendo em vista algumas distorções da Lei Estadual Nº 4.660/86 em relação à Lei Federal 8.666/93, bem como algumas alterações legais e constitucionais, cuja necessidade era imperativa. Através da Portaria Nº 105/99, o grupo deu início aos trabalhos, estes que foram atualizados em 2003, através da Portaria PGE/SAEB Nº 01/2003. Disto originou o que atualmente chamamos de Lei Baiana de Licitações: a Lei Estadual Nº 9.433/05. O objetivo deste trabalho será apresentar aos gestores de Autarquias Municipais de Saneamento Ambiental,

algumas inovações que estão acontecendo na Bahia no que concerne às Licitações e Contratos Administrativos, para que estes possam pleitear junto aos Gestores Municipais e Estaduais, através de Lei, tais inovações em seus Estados e por conseguinte, em seus municípios.

Funções Administrativas: planejamento, organização, direção e controle

Funções Administrativas

Planejamento, Organização, Direção e Controle

(PODC): Planejamento, Organização, Direção e Controle. 

Novo!: Mapa Mental – Funções Administrativas: planejamento, organização, direção e controle

Para você fixar melhor este conteúdo, fiz uma postagem bem legal com questões comentadas que vale a pena conferir.

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

Características da Cultura Organizacional

Características da Cultura Organizacional

A cultura organizacional envolve artefatos (padrões de comportamento), valores compartilhados (crenças) e pressupostos (valores, verdades). Também pode conter componentes visíveis, que são sempre orientados pelos aspectos organizacionais, ou componentes ocultos, que são sempre orientados pela emoção e situações afetivas.

Artefatos ( superficial, observável ), é um padrão de comportamento

É o nível 1 da cultura.

É composto por todos os fenômenos que são vistos, sentidos e ouvidos ao se deparar com um novo grupo ou uma

Cultura Organizacional: Conceitos e Preceitos

Esta postagem foi desenvolvida da seguinte forma:

1º Um resumo da matéria feita por Paulo Nunes no site Knoow sobre “Conceito de Cultura Organizacional”

2º Um artigo feito por Geovanna Carranza no site Eu vou passar que já desenvolve o tema numa maneira geral e não se limitando apenas ao conceito e preceitos.

3º Matéria retirada do site Wikipédia que resume os preceitos da Cultura organizacional.

4º Duas vídeo aula postada no Youtube pelo site Eu vou passar, feita por Rodrigo Rennó

5º Uma palestra de Patricia Tavares com o tema “Cultura Organizacional alavancando negócios, que vale a pena conferir!

Caso você tenha alguma sugestão interessante sobre o tema posta um comentário.

Bons Estudos!!

1º Um resumo da matéria feita por Paulo Nunes no site Knoow sobre “Conceito de Cultura Organizacional”

 

Conceito de Cultura Organizacional

Segundo a definição de L. Smircich em “Concepts of Culture and Organisational Analysis” a Cultura Organizacional representa o sistema de comportamentos, normas e valores sociais (padrões de referência que influenciam a forma como as pessoas agem e avaliam os acontecimento) aceites e partilhados por todos os membros da organização e que de certa forma a tornam única. É, portanto, um conjunto de características únicas que permite distinguir a organização de todas as outras. Corresponde ao que representa a personalidade no indivíduo e

Processo organizacional: Controle e avaliação

Processo organizacional: controle e avaliação

CONTROLE DA AÇÃO EMPRESARIAL

A função de controle está relacionada com as demais funções do processo administrativo: o planejamento, a organização e a direção repercutem nas atividades de controle da ação empresarial. Muitas vezes se torna necessário modificar o planejamento, a organização ou a direção, para que os sistemas de controle possam ser mais eficazes.

Texto retirado do site angel fire

Controle: significa verificar se o que foi planejado e organizado está sendo, de fato, executado conforme o planejado e organizado. Consiste em medir e corrigir o desempenho dos subordinados para assegurar que os objetivos da empresa sejam atingidos, identificar os possíveis erros ou desvios, a fim de corrigi-los e evitar a sua repetição.

O controle é um processo cíclico e repetitivo composto de quatro etapas a saber:

estabelecimento de padrões;

avaliação do desempenho;

comparação do desempenho com o padrão estabelecido e

ação corretiva.

À medida que o processo se repete, o controle permite um gradativo aperfeiçoamento, ou, em outros termos, uma gradativa aprendizagem do sistema, que corrige seus erros e melhora seu desempenho. Seguindo esses processos e procedimentos o administrador multiplica suas chances de sucesso em qualquer empreendimento.

Fases do controle

Natureza, finalidades e critérios de departamentalização – Parte 2

VOLTAR PARA PARTE 1

Por Funções ;  ou Funcional

Vantagens

Agrupar especialista sob chefia única;

`segue princípio da especialização ocupacional;

concentra competência em atividade específica;

mais indicada para circunstâncias estáveis ou tarefas rotineiras;

poucas linhas de produtos;

reflete auto-orientação e introversão administrativa

Desvantagens;

Reduz a cooperação interdepartamental;

Inadequada quando a tecnologia necessita ser mutável e evolutiva;

Dificulta a adaptação às mudanças externas;

Detrimento do objetivo global em prol dos esforços de especialistas.

Aplicação:

Circunstâncias estáveis;

Órgãos com tarefas rotineiras;

Poucas linhas de produtos;

 

por Produtos ou Serviços ou por Resultados;

Vantagens:

Facilita o emprego de  tecnologia;

Permite a  intensificação de esforços;

Fixa a responsabilidade para um produto;

Facilita a cooperação interdepartamental;

Facilita a inovação e a competitividade;

Indicada para circunstâncias instáveis, mutáveis.

Induz a cooperação entre especialistas;

Permite maior flexibilidade.

DESvantagens;

Bitola técnica dos especialistas;

Contra-indicada para empresa com poucos produtos ou  estabilidade ambiental;

Problemas psicológicos de temores e ansiedades

APLICAÇÃO:

Circunstâncias instáveis

 

Por localização geográfica;

É a territorial ou regional.

Vantagens:

Atende a estratégias regionais;

Fixa responsabilidade de lucro;

Encoraja novos executivos

Indicada para agências de varejo;

DESvantagens:

Dificulta a coordenação e controle;

Subdesenvolvimento das áreas de pesquisa, finanças e RH.

Aplicação:  Empresa que precisa de área mercadológica descentralizada

 

por Clientes;

Vantagens:

Abordagem extrovertida , ideal se o importante é a satisfação do cliente;

Mais adequada se o cliente é mais importante que o produto;

Concentra conhecimento sobre as necessidades dos clientes.

DESvantagens:

Torna secundárias as  funções produção e finanças;

Sacrifica  objetivos como lucro e produtividade e eficiência.

APLIcação:

Quando o cliente é mais importante que o produto

 

por Processos; 

ou  por equipamentos , por maquinário, por tecnologia

Vantagens:

Prestigia a tecnologia como foco de referência

Desvantagens:

Total falta de flexibilidade

Aplicação; Empresas industriais.

 

Por  Projetos;  

Construção de Navios ,  de edifícios , construção de fábricas

Vantagens:

Concentrar diversos recursos  em uma  atividade complexa

Se ajusta a uma departamentalização temporária por Produto complexo

Desvantagens:

Descontinuidade ao fim do ciclo do projeto;

Provoca ansiedade e angústia

Aplicações

Grandes empreendimentos e tecnicamente complexos.

Obter resultados

 

Por tempo e por número

CONCLUSÃO:

A Departamentalização  pode ser:

Principal ; intermediária , combinada

PRINCIPAL :  no nível mais elevado;

Considerações Básicas:

Meio Ambiente

Tecnologia

Estratégia

Estrutura

DEPARTAMENTALIZAÇÃO MATRICIAL

Segundo Stanley Davis e Paul Lawrence,  uma  Organização matricial emprega um sistema de comando múltiplo que inclui os mecanismos de apoio correspondentes e  um padrão de cultura e  comportamento organizacional associado.

Segundo   Leon Megginson ( 1998) A departamentalização matricial é um tipo híbrido onde vários especialistas são agrupados para completar uma tarefa em tempo limitado. (encontrada em organizações de alta tecnologia , Boing, Nasa, GE)

Departamentalização matricial

Vantagens ;

Comunicação livre e coordenação entre especialistas;

Flexibilidade para responder rapidamente às mudanças

Ideal para empresas empreendedoras.

Processo de decisão  descentralizado ( Bateman, 1998)

Rede de comunicações extensas para processar grande quantidade de informação

Utilização de recursos compartilhados  de modo eficiente;

Alta adaptabilidade

DESvantagens

Falta de clareza  dos papéis; ( dois chefes : de projeto e funcional)

Competição pelo poder;

Muita democracia que pode conduzir a ação insuficiente

Todos têm que ser consultados a cada decisão

APLICAÇÃO ;

Empresas com alta orientação tecnológica. ( hospitais, organizações empreendedoras)

Administradores competitivos e com visão intrapreneurial

 

DEPARTAMENTALIZAÇÃO EM REDE OU CORPORAÇÃO VIRTUAL.

É uma associação temporária de empresas ou de departamentos independentes unidos  pela tecnologia da informação para compartilhar despesas,  talento dos funcionários e ampliara mercados.

Características: não ocupa espaço físico, não tem sede, não tem organograma, um tipo adhocrático.

Sacrifica a hierarquia pela velocidade da tomada de decisões;

O contribuinte da rede contribui com sua core competence – competência central (conceito de Prahalad).

Forma alianças estratégicas; entidade fluída  e flexível

Uso intensivo da tecnologia da informação;

Uso de base de dados;

REENGENHARIA E  estruturas horizontais;  ( Michel Hammer e James Champy )

Organização com base nos processos empresariais ,com mudanças fundamentais , radicais, e drásticas nos indicadores críticos de desempenho  tais como :  custos , qualidade,  atendimento a cliente e velocidade.

DOWNSIZING  mudança da organização tipo mainframe para  descentralizados micros ou  uso intensivo da intranet .

 

ORGANIZAÇÃO COM EMPOWERMENT

Delegação de poderes aos membros das equipes e dos grupos;

Representa a especialização vertical da responsabilidade e do poder descentralizado.

Matéria retirada do site do botelho

Bom, se você quer aprofundar mais um pouco acrescente mais estas informações em seus estudos:

DESENHO DEPARTAMENTAL


desenho departamental refere-se à estrutura organizacional dos departamentosou divisões da empesa, ou seja, ao esquema de diferenciação e de integraçãoexistente no nível intermediário da empresa. Vimos que a diferenciaçãopode dar-se de duas maneiras vertical ehorizontal. A diferenciação vertical ocorre pelo arranjo hierárquico das unidades e posições na empresa (cadeia escalar), enquanto a diferenciação horizontal ocorre pelo desdobramento de diversosdepartamentos ou divisões especializados dentro do mesmo nível hierárquico da empresa.

desenho organizacional é tratado no nível institucional da empresa e tem uma abordagem macro, enquanto o desenho departamental se refere ao nível intermediário e tem uma abordagem limitada às relações entre os objetivos e decisões estratégicas da empresa (nível institucional) e a realização das tarefas por meio da aplicação dos recursos disponíveis (nível operacional).


DEPARTAMENTALIZAÇÃO

Quando uma empresa é pequena e constituída de poucas pessoas, nenhum arranjo formal para definir e agrupar as suas atividades é necessário. As pequenas empresas não requerem diferenciaçãoou especialização para distinguir o trabalho de uma pessoa ou unidade dos demais. Mas, à medida que as empresas se tornam maiores e envolvem atividades mais diversificadas, elas são forçadas a dividir as principais tarefas empresariais e transformá-las em responsabilidades departamentais ou divisionais.

Departamento designa uma área, divisão ou um segmento distinto de uma empresa sobre o qual um administrador (seja diretor, gerente, chefe, supervisor etc) tem autoridade para o desempenho de atividades específicas. Assim, um departamento ou divisão é empregado com um significado genérico e aproximativo: pode ser um órgão de produção, uma divisão de vendas, a seção de contabilidade, a unidade de pesquisa e desenvolvimento ou o setor de compras.

Em algumas empresas, a terminologia departamental é levada a sério e indica relações hierárquicas bem definidas: um superintendente cuida de uma divisão; um gerente de um departamento; um chefe de uma seção; um supervisor de um setor. Em outras empresas, a terminologia é simplesmente casual e pouco ordenada. Daí a dificuldade de uma terminologia universal.

desenho departamental decorre da diferenciação de atividades dentro da empresa. À medida que ocorre a especialização com o trabalho e o aparecimento de funções especializadas, a empresa passa a necessitar de coordenação dessas diferentes atividades, agrupando-as em unidades maiores.

Daí o princípio da homogeneidade:as funções devem ser atribuídas a unidades organizacionais na base da homogeneidade de conteúdo, no sentido de alcançar operações mais eficientes e econômicas. As funções são homogêneas na medida em que o seu conteúdo apresente semelhanças entre si. O desenho departamental é mais conhecido como departamentalizaçãoou divisionalização.

departamentalização é uma característica típica das grandes empresas e está relacionada com o tamanho da empresa e com a natureza de suas operações. Quando a empresa cresce, as suas atividades não podem ser supervisionadas diretamente pelo proprietário ou pelo diretor. Essa tarefa de supervisão pode ser facilitada atribuindo-se a diferentes departamentos a responsabilidade pelas diferentes fases ou aspectos dessa atividade.

desenho departamental ou departamentalização apresenta uma variedade de tipos.Os principais tipos de departamentalização são:

  • a)funcional;
  • b)por produtos e serviços;
  • c)por base territorial;
  • d) por clientela:
  • e) por processo;
  • f) por projeto;
  • g) matricial.

Estas informações foram retiradas do site angel fire

VOLTAR PARA A PARTE 1

Natureza, finalidades e critérios de departamentalização

Natureza, finalidade e critérios de departamentalização

Departamentalização

Para os autores clássicos a especialização pode ocorrer em dois sentidos: vertical e horizontal.

A especialização vertical é o desdobramento da autoridade denominado processo escalar

A especialização horizontal (DEPARTAMENTALIZAÇÃO) é o aumento de órgãos especializados, aumenta a perícia, a eficiência e a qualidade do trabalho, é o processo funcional e provoca a departamentalização.

Departamentalização é uma divisão do trabalho em termos de uma diferenciação entre os diversos e  diferentes tipos de tarefas executados pelos órgãos.

 

Natureza

A departamentalização tem por natureza dividir-se  em unidades as grandes áreas da Empresa. Assim  criam-se diversas espécies  (naturezas) de departamentalização (superintendências, diretorias, departamentos, divisões, setores,  seções)

 

Finalidade

Segundo o Chiavenato, A finalidade da departamentalização não é  a estrutura  rígida e equilibrada  em termos de níveis e  sim grupar atividades  de  maneira que melhor contribuam para obtenção dos  objetivos específicos da organização.

Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens

Avaliação de Desempenho

 

A avaliação de desempenho ajuda a identificar problemas nas organizações.

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

Toda organização necessita ser avaliada através de um sistema para poder, através de um processo de retroalimentação, rever suas estratégias e métodos de trabalho, minimizando os efeitos da tendência à entropia e melhorando suas práticas. A respeito da Avaliação de Desempenho Humano, os seus objetivos fundamentais fornecem várias oportunidades de crescimento e condições de efetiva participação a todos os membros da organização, tendo em vista, de um lado, os objetivos organizacionais e, de outro, os objetivos individuais.