Menu fechado

Tag: português

Fala e desvio de norma

No final da postagem tem uma videoaula que vale conferir!

Recomendo os seguintes links:

português completo

conteúdo do concurso do TRE-SP 2016.

Como estudar para concursos públicos.

Conheça as características das principais bancas organizadoras de concursos públicos

Gostaria de lembrar também que tenho um livro de aventura que publiquei a versão final em e-book no Amazon, A fortaleza do Centro, dá uma olhadinha nele é muito legal.

Gostaria também de saber qual concurso você vai fazer, é só postar nos comentários

Abraços e bons estudos!


Procurei muito sobre este tema também, mas achei ele meio subjetivo, pois não tem matérias que trata especificamente sobre o assunto.

Na verdade coloquei um artigo feito Rosiane Socorro Figueiredo Ferreira que fala  mais ou menos sobre o tema.

O objetivo deste poste é trazer você até ele e quem sabe você saiba sobre o assunto e coloque um comentário. Pode ser de alguma apostila que comprou, ou mesmo indicar um link sobre o assunto. O que espero é que você me ajude a tornar o tema completo e atualizado para que possamos democratizar esta informação e todos que o acessarem possam se preparar bem sobre o tema e passar em algum concurso almejado. Então aguardo sua ajuda.

Abraços e obrigado.

Desvios Linguísticos X Norma-Padrão

ROSIANE SOCORRO FIGUEIREDO FERREIRA

RESUMO

O objetivo deste artigo é proporcionar aos acadêmicos do curso de letras, conhecimento sobre os desvios linguísticos e norma padrão, do “certo e errado” na língua portuguesa brasileira, segundo a visão do autor Marcos Bagno em seus livros “Português ou Brasileiro? A Norma Oculta e Nada na Língua é Por Acaso”, os quais serviram de embasamento a este artigo.

Palavras-chave: Conhecimento. Desvios Linguísticos. Norma Padrão. Língua Portuguesa.

RESUMEN

Para proporcionar al académico del curso de letras, el conocimiento en los linguísticos que desviaban líneas y estándar de la norma, de la “cierta e incurrió en una equivocación” en la lengua portuguéa brasileña, según la visión del autor Marcos Bagno en sus libros “portugueses o brasileño? “La

Emprego dos sinais de pontuação

A ortografia oficial de uma língua é o conjunto de regras e padrões que definem a forma correta de escrita das palavras (emprego das letras), bem como o uso correto dos sinais de acentuação, emprego do sinal indicativo de crase e dos sinais de pontuação.

Nesta postagem veremos os sinais de pontuação e no final dela tem links para as postagens sobre emprego das letrasemprego dos sinais de acentuação e emprego do sinal indicativo de crase.

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

SINAIS DE PONTUAÇÃO

Redação (confronto e reconhecimento de frases corretas e incorretas)

Redação: Confronto e reconhecimento de frases corretas e incorretas

Para escrever e falar corretamente, é necessário observar a escrita e o significado de algumas palavras, que acabam confundindo o escritor por serem parecidas, mas que possuem significados diferentes. Abaixo, seguem algumas palavras que costumam confundir o uso numa redação.

Vocabulário

1) EM NÍVEL DE

Só podemos usar EM NÍVEL ou NO NÍVEL DE ou AO NÍVEL DE se houver “níveis”: “EM NÍVEL federal” está correto porque poderia ser em nível estadual, municipal…

2) TAMPOUCO

TAMPOUCO significa “nem, e não”: “Não trabalha TAMPOUCO estuda”.
TÃO POUCO é “muito pouco”: Estudou tão pouco que foi reprovado”

3) PENALIZADO

Figuras de linguagem

Linguagem figurada ou figuras de linguagem:

Figuras de linguagemfiguras de estilo ou figuras de retórica são estratégias que o orador (ou escritor) pode aplicar ao texto para conseguir um determinado efeito na interpretação do ouvinte (ou leitor). Podem relacionar-se com aspectos semânticos, fonológicos ou sintáticos das palavras afetadas.

Dentro de um grupo social há vários modos de se usar a Língua Portuguesa. Dentre eles, há um que se institui como língua padrão, e que corresponde ao modo de falar das pessoas mais instruídas, mais cultas dentro do grupo social. É a partir do uso da língua padrão que gramática estabelece as normas daquilo que seria falar ou escrever corretamente,ou seja, as normas da língua culta.

Classe de palavras: Advérbio


Depois da parte teórica eu coloquei uma videoaula bem legal.

Após a videoaula tem algumas questões para você praticar seu conhecimento.

Tenho algumas postagem que acho interessante  e que acredito que você irá gostar:

Uma com todo conteúdo de português: português completo

conteúdo do concurso do TRE-SP 2016.

Como estudar para concursos públicos.

Gostaria de lembrar também que tenho um livro de aventura que publiquei a versão final em e-book no Amazon, A fortaleza do Centro, dá uma olhadinha nele é muito legal.

Bons estudos!


Advérbio:

É a palavra que modifica o sentido do verbo (maioria), do adjetivo e do próprio advérbio (intensidade para essas duas classes). Denota em si mesma uma circunstância que determina sua classificação:

  • lugar:longe, junto, acima, ali, lá, atrás, alhures;
  • tempo:breve, cedo, já, agora, outrora, imediatamente, ainda;
  • modo:bem, mal, melhor, pior, devagar, a maioria dos adv. com sufixo -mente;
  • negação:não, qual nada, tampouco, absolutamente;
  • dúvida:quiçá, talvez, provavelmente, porventura, possivelmente;
  • intensidade:muito, pouco, bastante, mais, meio, quão, demais, tão;
  • afirmação:sim, certamente, deveras, com efeito, realmente, efetivamente.

As palavras onde (de lugar), como (de modo), porque (de causa), quanto (classificação variável) e quando (de tempo), usadas em frases interrogativas diretas ou indiretas, são classificadas como advérbios interrogativos (queria saber onde todos dormirão / quando se realizou o co

Concordância Verbal e Nominal

Concordância verbal e nominal

Concordância verbal

Na concordância verbal o verbo se flexiona para concordar com o sujeito gramatical. Esta flexão pode ser realizada em número (singular ou plural) e em pessoa (1.ª (eu), 2.ª(tu) ou 3.ª pessoa(ele)).

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

Exemplo 1:

Eu gosto de chocolate

Eu está no singular

Verbo gostar também no singular

Exemplo 2:

Os técnicos escalaram os times.

Técnicos está no plural

Verbo escalar está no plural

Casos especiais de concordância verbal

CLIQUE PARA CONTINUAR

Correspondência oficial – PARTE 3

O Padrão Ofício:

Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o memorando. Para uniformizá-los, adotou-se uma diagramação única, que segue o padrão ofício.

Partes do documento no Padrão Ofício:

O aviso, o ofício e o memorando devem conter as seguintes partes:

a) tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão que o expede:

Exemplos:

Mem. 123/2002-TCE Aviso 123/2002-TCE Of. 123/2002-SG/TCE

b) local e data em que foi assinado, por extenso, com alinhamento à direita:

Exemplo:

Brasília, 15 de março de 1991.

c) assunto: resumo do teor do documento

Exemplos:

Assunto: Produtividade do órgão em 2002.

Assunto: Necessidade de aquisição de novos computadores.

d) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é dirigida a comunicação. No caso do ofício deve ser incluído também o endereço.

e) texto: nos casos em que não for de mero encaminhamento de documentos, o expediente deve conter a seguinte estrutura:

– introdução, que se confunde com o parágrafo de abertura, na qual é apresentado o assunto que motiva a comunicação. Evite o uso das formas: “Tenho a honra de”, “Tenho o prazer de”, “Cumpre-me informar que”, empregue a forma direta;

– desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o texto contiver mais de uma idéia sobre o assunto, elas devem ser tratadas em parágrafos distintos, o que confere maior clareza à exposição;

– conclusão, em que é reafirmada ou simplesmente reapresentada a posição recomendada sobre o assunto.

Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos casos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e subtítulos.

Já quando se tratar de mero encaminhamento de documentos a estrutura é a seguinte:

Correspondência oficial – PARTE 2

cop2

DESTAQUES:

Recurso tipográfico que estabelece contrastes, com o objetivo de propiciar saliências no texto. Os mais comuns são os a seguir comentados.

Itálico – Convencionalmente, grafa-se em itálico títulos de livros, de periódicos, de peças, de óperas, de música, de pintura e de escultura;

Assim como nomes de eventos e estrangeirismos citados no corpo do texto. Lembrar, no entanto, que na grafia de nome de instituição estrangeira não se deve usar o itálico.

Contudo, no caso de o texto já estar todo ele grafado em itálico, o destaque de palavras e de locuções de outros idiomas, ainda não adaptadas ao português, pode ser obtido com o efeito contrário, ou seja, com a grafia delas sem o itálico; recursos esse conhecido como “redondo”.

Usa-se ainda o itálico na grafia de nomes científicos, de animais e vegetais (Exemplos: Canis familiaris; Apis mellifera).

Pode-se adotar também, desde que sem exageros, o destaque do itálico na grafia de palavras e/ou de expressões às quais se queira da ênfase.

Aspas – Usa-se grafar entre as aspas simples: a citação dentro de uma citação.

Já as aspas duplas, essas são adotadas para:

  • delimitar a indicação de citações diretas de até três linhas;
  • destacar neologismos – sentido inusitado de uma palavra ou de uma expressão, ou termos formados a partir de palavras de outra língua – “ajanelar o coração”; “deletar”; “zebra”, como expressão de azar;
  • indicar um sentido não habitual – Exemplos: Havia um “porém” no olhar do diretor;
  • destacar o valor – irônico ou afetivo de um termo – Exemplos: Ela era a “queridinha” do papai.

Negrito – O destaque do negrito é mais comumente usado na transcrição de entrevistas, para separar perguntas de respostas; assim como, conforme antes mencionado, na indicação de títulos e de subtítulos. Contudo, o negrito pode ser utilizado também, comedidamente, na grafia de termos e/ou de expressões a que se queira dar ênfase.

Maiúsculas – Além de sempre usada no início de períodos, nos títulos de obras artísticas ou técnico-científicas, a letra maiúsculas (caixa alta – CA) é convencionalmente usada na grafia de:

Pronomes: emprego, forma de tratamento e colocação

Pronomes: emprego, forma de tratamento e colocação

Pronomes:

A palavra que acompanha (determina) ou substitui um nome é denominada pronome.

Ex.: Ana disse para sua irmã:
– Eu preciso do meu livro de matemática. Você não o encontrou? Ele estava aqui em cima da mesa.

1. eu substitui “Ana”
2. meu acompanha “o livro de matemática”
3. o substitui “o livro de matemática”
4. ele substitui “o livro de matemática”

Flexão

Novas regras ortográficas

Depois de um período de seis anos de transição, o acordo ortográfico assinado com sete países de língua portuguesa entrou oficialmente em vigor no Brasil.

Algumas palavras perderam o acento, outras se separaram ou se uniram. As mudanças do novo acordo ortográfico começaram em 2008, mas somente em 2013 se tornaram obrigatórias. Se engana quem pensa que elas vieram para complicar mais a língua.

Confira as novas regras ortográficas

As novas regras da língua portuguesa mexem com acentuação e hífen.
Veja as regras atuais e o que era antes na língua portuguesa:  

Redação oficial – parte 3

significa também um trâmite a ser seguido para alcançar determinado objetivo (“seguir o protocolo”).

A gestão do protocolo

A gestão do protocolo é normalmente confiada a uma repartição determinada, que recebe o material documentário do sujeito que o produz em saída e em entrada e os anota num registro (atualmente em programas informáticos), atribuindo-lhes um número e também uma posição de arquivo de acordo com suas características.

O registro tem quatro elementos necessários e obrigatórios:

  1. Número progressivo
  2. Data de recebimento ou de saída
  3. Remetente ou destinatário
  4. Regesto, ou seja, breve resumo do conteúdo da correspondência.