Reescritura de frases e parágrafos do texto – Parte 4

Reescritura de frases e parágrafos do texto – Parte 4

Cacofonia

cacofonia é um som desagradável ou obsceno formado pela união das sílabas de palavras contíguas. Por isso temos que cuidar quando falamos sobre algo para não ofendermos a pessoa que ouve. São exemplos desse fato:

  • “Ele beijou a boca dela.”
  • “Bata com um mamão para mim, por favor.”
  • “Deixe ir-me já, pois estou atrasado.”
  • “Não tem nada de errado a cerca dela
  • “Vou-me já que está pingando. Vai chover!”
  • “Instrumento para socar alho.”
  • “Daqui vai, se for dai.”

Não são cacofonia:

  • “Eu amo ela demais !!!”
  • “Eu vi ela.”
  • “você veja”

Como cacofonias são muitas vezes cômicas, elas são algumas vezes usadas de propósito em certas piadas, trocadilhos e “pegadinhas”.

Plebeísmo

plebeísmo normalmente utiliza palavras de baixo calão, gírias e termos considerados informais.

Exemplos:

  • “Ele era um tremendo mané!”
  • “Tô ferrado!”
  • “Tá ligadonas quebradasmeu chapa?”
  • “Esse bagulho é ‘radicaaaal’!!! Tá ligado mano?”
  • ‘Vô piá lá’mais tarde ‘ !!! Se ligou maluko?

Por questões de etiqueta, convém evitar o uso de plebeísmos em contextos sociais que requeiram maior formalismo no tratamento comunicativo.

Prolixidade

É a exposição fastidiosa e inútil de palavras ou argumentos e à sua superabundância. É o excesso de palavras para exprimir poucas idéias. Ao texto prolixo falta objetividade, o qual quase sempre compromete a clareza e cansa o leitor.

A prevenção à prolixidade requer que se tenha atenção à concisão e precisão da mensagem. Concisão é a qualidade de dizer o máximo possível com o mínimo de palavras. Precisão é a qualidade de utilizar a palavra certa para dizer exatamente o que se quer.

Pleonasmo vicioso

pleonasmo é uma figura de linguagem. Quando consiste numa redundância inútil e desnecessária de significado em uma sentença, é considerado um vício de linguagem. A esse tipo de pleonasmo chamamos pleonasmo vicioso.

Ex:

  • “Ele vai ser o protagonista principal da peça”. (Um protagonista é, necessariamente, a personagem principal)
  • “Meninos, entrem já para dentro!” (O verbo “entrar” já exprime ideia de ir para dentro)
  • “Estou subindo para cima.” (O verbo “subir” já exprime ideia de ir para cima)
  • “Não deixe de comparecer pessoalmente.” (É impossível comparecer a algum lugar de outra forma que não pessoalmente)
  • “Meio-ambiente” – o meio em que vivemos = o ambiente em que vivemos.

Não é pleonasmo:

  • “As palavras são de baixo calão“. Palavras podem ser de baixo ou de alto calão.

O pleonasmo nem sempre é um vício de linguagem, mesmo para os exemplos supra citados, a depender do contexto. Em certos contextos, ele é um recurso que pode ser útil para se fornecer ênfase a determinado aspecto da mensagem.

Especialmente em contextos literários, musicais e retóricos, um pleonasmo bem colocado pode causar uma reação notável nos receptores (como a geração de uma frase de efeito ou mesmo o humor proposital). A maestria no uso do pleonasmo para que ele atinja o efeito desejado no receptor depende fortemente do desenvolvimento da capacidade de interpretação textual do emissor. Na dúvida, é melhor que seja evitado para não se incorrer acidentalmente em um uso vicioso.

Solecismo

Solecismo é uma inadequação na estrutura sintática da frase com relação à gramática normativa do idioma. Há três tipos de solecismo:

De concordância:

  • “Fazem três anos que não vou ao médico.” (Faz três anos que não vou ao médico.)
  • “Aluga-se salas nesse edifício.” (Alugam-se salas nesse edifício.)

De regência:

  • “Ontem eu assisti um filme de época.” (Ontem eu assisti a um filme de época.)

De colocação:

  • “Me empresta um lápis, por favor.” (Empresta-me um lápis, por favor.)
  • “Me parece que ela ficou contente.” (Parece-me que ela ficou contente.)
  • “Eu não respondi-lhe nada do que perguntou.” (Eu não lhe respondi nada do que perguntou.)

Eco

Eco vem a ser a própria rima que ocorre quando há na frase terminações iguais ou semelhantes, provocando dissonância.

  • “Falar em desenvolvimento é pensar em alimento, saúde e educação.”
  • “O aluno repetente mente alegremente.”
  • O presidente tinha dor de dente constantemente.

Colisão

O uso de uma mesma vogal ou consoante em várias palavras é denominado aliteração. Aliterações são preciosos recursos estilísticos quando usados com a intenção de se atingir efeito literário ou para atrair a atenção do receptor. Entretanto, quando seus usos não são intencionais ou quando causam um efeito estilístico ruim ao receptor da mensagem, a aliteração torna-se um vício de linguagem e recebe nesse contexto o nome de colisão. Exemplos:

  • “Eram comunidades camponesas com cultivos c
  • “O papa Paulo VI pediu a p

Uma colisão pode ser remediada com a reestruturação sintática da frase que a contém ou com a substituição de alguns termos ou expressões por outras similares ou sinônimas.

Esta matéria eu retirei da Wikipédia

VOLTAR PARTE 1          VOLTAR PARTE 2          VOLTAR PARTE 3

Para complementar seus estudos sugiro os links abaixo:

4.1 – Reescritura de frases e parágrafos:

4.1.1 – Significação das palavras:

As duas matérias abaixo abordam a mesma coisa:

4.1.2 – Substituição de palavras ou de trechos de texto

4.1.4 – Reescritura de frases e parágrafos e textos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *