Menu fechado

Fonemas e Fonética: representação e classificação dos fonemas, encontros vocálicos: ditongo, hiato, tritongo, encontro consonantal e dígrafo Parte 2

APOSTILA SME-SP 2019

APOSTILA PARA TJ-AM 2019

APOSTILA PARA IBGE 2019

SAIBA POR QUE INDICO AS APOSTILAS OPÇÃO

Representação e classificação dos fonemas

 

Classificação dos Fonemas

Os fonemas são classificados em vogais, semivogais e consoantes;

 

Vogais

Vogal é o fonema produzido pelo ar que, expelido dos pulmões, faz vibrar as cordas vocais e não encontra nenhum obstáculo na sua passagem pelo aparelho fonador. Classificam-se em:

Quanto à intensidade

Vogal tônica: é a vogal que se encontra na sílaba mais forte da palavra. Pode conter acentuação gráfica ou não, ficando dependente das regras de acentuação neste caso. Porém, quando houver acento, a vogal acentuada será sempre a vogal tônica, e, por consequência, a sílaba na qual ela se encontrar será a sílaba tônica.

Cada palavra possui somente uma vogal tônica.

Vogal átona: é a vogal que se encontra na(s) sílaba(s) mais fraca(s) da palavra.

Não possuem acentuação gráfica, mas podem apresentar o sinal gráfico de nasalação – til /~/ – quando a sílaba tônica for acentuada (órfão, órgão etc). O número de vogais átonas em uma palavra varia, podendo até mesmo ser zero (no caso de palavras monossílabas).

Exemplos:

Pato – divide-se pa.to . Então o a é a vogal tônica, pois a sílaba mais fortemente pronunciada é pa . O o é a vogal átona pois a sílaba to é fracamente pronunciada. Neste caso, não há acento em nenhuma vogal.

Ábaco – divide-se á.ba.co . Então o primeiro a é a vogal tônica pois a sílaba mais fortemente pronunciada é á . O segundo a e o o são as vogais átonas, pois as silabas ba e co são pronunciadas fracamente. Neste caso, a sílaba tônica é acentuada.

Presidente – divide-se pre.si.den.te . A segunda vogal e é a vogal tônica, pois a sílaba mais fortemente pronunciada é den . Nesse caso a palavra possui três vogais átonas – o primeiro e, o i e o último e -, que estão respectivamente nas sílabas pre , si e te .

Pá – só há uma sílaba. Neste caso o a é a vogal tônica e não há vogais átonas.

 

Quanto ao timbre

Vogais abertas: São as vogais articuladas ao se abrir o máximo a boca. Por exemplo: no Brasil, nas palavras “amora” e “café”, todas as vogais são abertas.

Vogais fechadas: São as vogais articuladas ao se abrir o mínimo a boca. Por exemplo: nas palavras “êxodo” e “fôlego”, todas as vogais são fechadas.

Alguns gramáticos da língua portuguesa ainda classificam as vogais “e” e “o” na categoria de vogais reduzidas quando são átonas no fim de uma palavra, que em geral são pronunciadas como “i” e “u”. Por exemplo, nas palavras “análise” e “camelo”.

 

Quanto ao modo de articulação

Vogais orais: São as vogais pronunciadas completamente através da cavidade oral. Em português, existem de sete a nove vogais orais, de acordo com o dialeto, a saber: “á” [ä], “â” [ɜ̝], “ê” [e], “é” [ɛ], “i” [ɯ̟], “í” [i], “ô” [o], “ó” [ɔ] e “u” [u] (as vogais representadas pelos símbolos [ɯ, ɜ] são comumente representados por [ɨ, ɐ] por sua aproximidade e também por sua semelhança gráfica).

Vogais nasais: São as vogais pronunciadas em que uma parte do ar usado para a pronúncia escapa pela cavidade nasal. Em português, existem cinco vogais nasais. Nas palavras: “maçã”, “sempre”, “capim”, “bondade”, e “fundo”, os grafemas assinalados em negrito representam vogais nasais. Também são nasais os ditongos “ão”, “ãe”, “õe” e o ditongo “ui” da palavra “muito”.

 

Quanto ao ponto de articulação

Vogais posteriores: São as vogais pronunciadas com a língua posicionada no fundo da boca, entre o dorso da língua e o véu palatino. Em português, são posteriores as vogais “ô”, “ó” e “u”.

Vogais anteriores: São as vogais pronunciadas com a língua posicionada na frente da boca entre o dorso da língua e o palato duro. Em português, são anteriores as vogais “ê”, “é” e “í”.

Vogais centrais: São as vogais pronunciadas com a língua posicionada no centro da boca. Em português, são centrais as vogais “á”, “â”, e em alguns dialetos também têm o “i” átono, pronunciado ora central ora quase posterior.

 

Semivogais

As semivogais são fonemas que não ocupam a posição de núcleo da sílaba, devendo, portanto, associar-se a uma vogal para formarem uma sílaba. Em português, somente os fonemas representados pelas letras “i” e “u” em ditongos e tritongos são considerados semi-vogais. Um ditongo é sempre formado por uma vogal mais uma Semivogal. Quando a semivogal vem antes da vogal, o ditongo é dito “crescente” (como em “jaguar”). Quando a semivogal vem depois, o ditongo é dito “decrescente” (como em “demais”). Nos ditongos “ui” e “iu”, uma das letras é sempre considerada vogal e a outra é semivogal. No caso dos tritongos, todos eles são formados por uma vogal intercalada entre duas semivogais.

 

Consoantes

Consoantes são fonemas assilábicos que se produzem após ultrapassar um obstáculo que se opõe à corrente de ar no aparelho fonador. Estes obstáculos incluem os lábios, os dentes, a língua, o palato, o véu palatino e a úvula.

 

Quanto ao papel das cordas vocais

Consoantes surdas (ou desvozeadas): São as consoantes pronunciadas sem que as cordas vocais sejam postas em vibração. São surdas as seguintes consoantes em português: f, k, p, c, s, t, x, ch.

Consoantes sonoras (ou vozeadas): São as consoantes pronunciadas com a vibração das cordas vocais. São sonoras as seguintes consoantes em português: b, d, g, j, l, lh, m, n, nh, r, v, z.

 

Quanto ao modo de articulação

Consoantes oclusivas: São as consoantes pronunciadas fechando-se totalmente o aparelho fonador, sem dar espaço para o ar sair. São oclusivas as seguintes consoantes: p, t, k, b, d, g.

Consoantes fricativas: São as consoantes pronunciadas através de uma corrente de ar que se fricciona em um obstáculo. São fricativas as seguintes consoantes em português: f, j, s, ch, v, z.

Consoantes laterais: São as consoantes pronunciadas ao fazer passar a corrente de ar nos dois cantos da boca ao lado da língua. Em português, são laterais apenas as consoantes “l” e “lh”.

Consoantes vibrantes: São as consoantes pronunciadas através da vibração de algum elemento do aparelho fonador, em geral a língua ou o véu palatino. Em português, são vibrantes apenas as duas variedades do “r”, como em “carro” e em “caro”.

Consoantes nasais: São as consoantes em que o ar sai pelas fossas nasais, em vez da boca. Em português, são nasais as consoantes “m”, “n” e “nh”.

 

Quanto ao ponto de articulação

Consoantes bilabiais: São as consoantes pronunciadas com o contato dos dois lábios. Em português, são bilabiais as consoantes: p, b, m.

Consoantes dentais: São as consoantes pronunciadas com a língua entre os dentes. Em português são dentais as consoantes: t, d e n.

Consoantes alveolares: São as consoantes pronunciadas com o contato da língua nos alvéolos dos dentes. Em português, são alveolares as consoantes: s, z, l e o “r” fraco.

Consoantes labiodentais: São as consoantes pronunciadas com o contato dos lábios na arcada superior dos dentes. Em português, são labiodentais as consoantes “f” e “v”.

Consoantes palatais: São as consoantes pronunciadas com o contato da língua com o palato. Em português, são palatais as seguintes consoantes: j, ch, lh e nh, e, em alguns dialetos, também as consoantes “t” e “d” antes de “i”.

Consoantes retroflexivas: São as consoantes pronunciadas com a língua curvada. Em português, somente alguns dialetos do Brasil têm uma consoante retroflexiva, o chamado “r” caipira.

Consoantes velares: São as consoantes pronunciadas com a parte traseira da língua no véu palatino. Em português, são velares as consoantes: k, g e rr (em alguns dialetos brasileiros).

Consoantes uvulares: São as consoantes pronunciadas através da vibração da úvula. Em português, existem na variedade europeia e no dialeto fluminense; no caso, o “r” forte.

Consoantes glotais: São as consoantes pronunciadas através da vibração da glote. Não há consoantes glotais em português e em praticamente nenhum dos idiomas ocidentais. Exemplos de idiomas com consoantes glotais são o hebraico e o árabe.

Nota: No Brasil, é perceptível a diferença de pronúncia da palavra tia entre pessoas do Rio de Janeiro e Nordeste, por exemplo. De modo geral, para os primeiros, a letra “t” é um fonema palatal (pronunciado mais ou menos como “tchia” ou “txia”, enquanto para os segundos representa um fonema alveolar. Ainda que — assim como em prato e trato — os sons correspondentes à letra t de tia sejam diferentes (isto é, letras iguais e sons diferentes), o fonema é um só, visto que, na língua, não se estabelece distinção de significado ao pronunciar-se /tia/ ou /tʃia/.

 

Vogais e consoantes

Vogais e Consoantes de Ligação: As vogais e consoantes de ligação são morfemas que surgem por motivos eufônicos, ou seja, para facilitar ou mesmo possibilitar a pronúncia de uma determinada palavra.

Exemplo:: parisiense (paris= radical, ense=sufixo, vogal de ligação=i)

Outros exemplos:: gas-ô-metro, alv-i-negro, tecn-o-cracia, pau-l-ada, cafe-t-eira, cha-l-eira, inset-i-cida, pe-z-inho, pobr-e-tão, etc.

Fonte: Wikipedia

10 DICAS PARA PASSAR EM UM CONCURSO PÚBLICO

APROVEITE A OPORTUNIDADE!!  APOSTILA PARA MP-SP 2019

10 ERROS COMUNS QUE OS CONCURSEIROS DEVEM EVITAR

APOSTILAS PARA PREFEITURA SÃO JOSÉ DOS PINHAIS-PR 2019

 

Encontros vocálicos:

ditongo, hiato, tritongo, encontro consonantal e dígrafo.

Um encontro vocálico acontece quando há duas letras com sons vocálicos juntas em uma mesma palavra. Sendo assim, mesmo que a letra em questão seja uma consoante, se ela assumir um som de vogal na palavra, ela pode constituir um encontro vocálico, como é o caso das letras “ol” na palavra “farol”.

Portanto, quando há uma sequência de sons vocálicos, sejam eles na mesma sílaba ou em sílabas separadas, caracterizamos um encontro vocálico. Existem três tipos de encontros vocálicos:

 

HIATO

O encontro de duas letras com sons vocálicos, em uma mesma palavra, e em sílabas diferentes.

Exemplos:

democracia:            de-mo-cra-ci-a

viela:                             vi-e-la

saída:                            sa-í-da

poesia:                         po-e-si-a

 

DITONGO

O encontro de duas letras com sons vocálicos, em uma mesma palavra e na mesma sílaba. Neste caso, uma é caracterizada como vogal (a mais forte, tônica) e a outra como semivogal (a mais fraca, átona).

Exemplos:

 

Classificação dos Ditongos

Os ditongos podem ser classificados de duas formas: crescente ou decrescente, e oral ou nasal.

Ditongo Crescente: o encontro de uma semivogal (menos intensa) mais uma vogal (mais intensa), na mesma sílaba.

Exemplo: série, próprio, nódoa, mágoa, série, quadro, área, páreo.

Ditongo Decrescente: o encontro de uma vogal (mais intensa) mais uma semivogal (menos intensa), na mesma sílaba.

Exemplo: pouco, pai, pais, mais, maus, mingau, intuito

Ditongo Oral: o som passa pela cavidade oral, impedindo a passagem do ar pelas vias nasais.

Exemplo: ouvir, tranquilo, sequestro, viu, fugiu.

Ditongo Nasal: o som passa essencialmente pela cavidade nasal, produzindo um som nasalizado.

Exemplo: pão, mãe, quanto, delinquente, frequência, enxaguemos.

 

TRITONGO

É a sequência de três letras com sons vocálicos pertencentes à mesma sílaba de uma determinada palavra, sendo que a primeira é uma semivogal, a segunda uma vogal, e a terceira uma semivogal.

Exemplo:

Paraguai, quão

 

Classificação dos tritongos

Os tritongos também podem ser classificados em nasais ou orais, seguindo as mesmas regras dos ditongos.

Tritongos orais: Paraguai, iguais, averigueis.

Tritongos nasais: Saguão, enxáguem.

Fonte: infoescola

 

Encontro consonantal e dígrafo.

 

O encontro consonantal ocorre quando duas ou mais consoantes se encontram em uma palavra. Ou melhor, é quando duas ou mais consoantes estão em sequência, sem uma vogal entre elas.

Há dois tipos de encontros consonantais:

São puros ou perfeitos quando ocorrem em uma mesma sílaba: prato (pra-to), palavra (pa-la-vra), psicologia (psi-co-lo-gia), pneumático (pneu-má-ti-co), encontrar (en-con-trar), blusa (blu-sa), atleta (a- tle-ta), Bíblia (Bí-blia), e assim por diante.

São disjuntos ou imperfeitos quando estão em sílabas diferentes, ou seja, quando na divisão de sílabas ficam separados: alcançar (al-can-çar), subsolo (sub-so-lo), advogado (ad-vo-ga-do), aspecto (as -pec-to), apto (ap-to), costa (cos-ta), etc.

Perceba que há uma sequência consonantal perfeita e uma imperfeita no verbo “encontrar”, observe:

Encontrar : eN – Con – TRar = nc (imperfeito) e tr (perfeito)

Há alguns encontros consonantais, tais como: gn, mn, pt, ps, pn, tm, que não são muito comuns: magnético, mnemônica, ruptura, psicólogo, pneu, ritmo. Se estiverem no começo da palavra não se separam, mesmo porque não há meio de um letra ficar sozinha: p-si-có-lo-go, está errado! A letra “p” deve acompanhar a sílaba “si”: psi-có-lo-go.

Mas observe que o encontro consonantal da palavra “ritmo” se desfaz na divisão silábica porque não está no início da palavra, e sim no meio: rit-mo.

Existe também o encontro consonantal fonético que acontece quando a letra x tem som de ks: maxi, táxi, axila.

Fonte: Brasil escola

 

Dígrafo

Dígrafo é o encontro de duas letras que ao serem pronunciadas emitem um único fonema. São exemplos de dígrafos: nascer, morrer, chorar, isso, aquilo.

A palavra “dígrafo” tem origem grega, sendo formada pela junção dos termos di (dois) + grafo (escrever). Em outras línguas, podem existir trígrafos (três letras) ou quadrígrafos (quatro letras). Por exemplo, na Língua Alemã, “tsch” (Deutschland) representa apenas um som.

Na Língua Portuguesa, os dígrafos são classificados em Vocálicos (encontro de duas letras que formam um som de vogal) e Consonantais (encontro de duas letras que formam um som de consoante).

Exemplos de Dígrafos Vocálicos

  • am: ambíguo, campeão
  • an: antítese, manto
  • em: lembrança, tempo
  • en: vento, senta
  • im: impureza, símbolo
  • in: interior, síntese
  • om: sombra, pompa
  • on: ontem, conto
  • um: tumba, cumprimento
  • un: fundo, tonto, mundo

Exemplos de Dígrafos Consonantais

  • lh: soalho, migalha
  • nh: tenho, vinho
  • ch: chegar, achatado
  • rr: jarro, corrimão
  • ss: massa, passeio
  • qu e gu (seguidos de e ou i): quente, quiromancia
  • sc: ascender, crescer
  • sç: cresço, desço
  • xc: excelente, excessivo
  • xs: exsudar, exsicar

É importante salientar que para haver um encontro consonantal, as duas consoantes devem possuir dois sons distintos. Exemplo: letra (som de t e som de r). Caso apresentem apenas um som, já vimos que são dígrafos. Exemplo: achatado (som de x).

Fonte: Significados

E você, qual o concurso você vai fazer? Deixe um comentário para mim, pois posso fazer postagens direcionadas para ele e te ajudar mais. Aproveita também para inscrever seu e-mail para receber conteúdos todos os dias.

Dica: Para você que não esta encontrando o conteúdo que precisa ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada no site Apostilas Opção, lá eles tem praticamente todas as apostilas atualizadas de todos os concursos abertos. Caso queira saber por que indico as Apostilas Opção clique aqui!

Coesão e coerência.

Figuras de Linguagem.

Funções da Linguagem (Fática, Conativa, Poética, Referencial, Emotiva, Metalinguística).

Se gostou do artigo faça um comentário e se inscreva no site para receber todas as atualizações

Dica: Para você que não esta encontrando o conteúdo que precisa ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada no site Apostilas Opção, lá eles tem praticamente todas as apostilas atualizadas de todos os concursos abertos. Caso queira saber por que indico as Apostilas Opção clique aqui!

APOSTILA PARA CRO-RS 2019

APOSTILAS PARA SESACRE 2019

APOSTILA PARA UFJF-2019

APOSTILA PARA UFAL 2019

APOSTILA PARA PM-SP 2019

APOSTILA PARA ENCCEJA 2019 ENSINO MÉDIO

APOSTILA PARA ENCCEJA 2019 ENSINO FUNDAMENTAL

CONFIRA AQUI AS MELHORES APOSTILAS DO MERCADO!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *