Menu fechado

Tempos, modos e vozes verbais

APOSTILAS PARA SES-SC 2019

APOSTILA PARA FUNDAC- PB 2019

APOSTILA PARA MP-SP 2019

SAIBA POR QUE INDICO AS APOSTILAS OPÇÃO

Tempos, modos e vozes verbais.

 

Emprego de tempos verbais:

Seria o tempo verbal, ou seja, se o verbo indica algo que já realizou, está realizando ou se ainda realizará.

Temos três tempos verbais:

Passado ou pretérito, presente e futuro.

Pretérito ou passado:

Aconteceu antes do instante que se fala.

Ex.: Ontem fui à academia mais cedo.

Presente:

Acontece no instante da fala

Ex.: Eu treino nesta academia

Futuro:

Acontecerá depois do instante da fala.

Ex.: Irei à academia daqui umas duas horas

O pretérito pode ser:

Pretérito perfeito: O fato passado foi concluído totalmente

Ex.: Ele estudou toda a matéria hoje de manhã.

Pretérito imperfeito: O fato passado não foi concluído totalmente.

Ex.: Ele conversava muito durante a aula.

Pretérito mais-que-perfeito: O fato passado é anterior a outro fato também passado e terminado.
Ex.: Quando eu cheguei na festa, ele já tinha saído

O futuro pode ser:

Futuro do presente: O fato acontece após o momento da fala, mas já terminado antes de outro fato futuro.

Ex.: Quando sua mãe chegar, eu contarei tudo para ela.

Futuro do pretérito: Um fato futuro que pode ocorrer depois de um fato passado.

Ex.: Se eu tivesse os livros, estudaria nas férias.

Emprego de modos verbais:

Indicativo – mostra uma certeza. A pessoa que fala é precisa sobre o fato.

Ex.: Eu gosto de feijoada.

Subjuntivo – Mostra incerteza. A pessoa fala mostra dúvida sobre o fato

Ex.: Talvez eu viaje no final de semana.

Imperativo – mostra uma atitude de ordem ou solicitação

Ex.: Não jogue bola agora.

Formas nominais do verbo:

O verbo pode ter funções de nomes (nominais), como substantivo, adjetivo e advérbio.

Infinitivo impessoal (não flexiona o verbo): dá significado ao verbo de modo indefinido e vago. Ele deve ser usado em locuções verbais, sem sujeito definido, com sentido imperativo e etc..

Ex.: É preciso amar

Infinitivo pessoal (flexiona o verbo): Ele deve ser usado com sujeito definido, quando desejar determinar o sujeito, quando o sujeito da segunda oração for diferente e quando uma ação for correspondente.

1ª pessoa do singular: sem desinências

2ª pessoa do singular: Radical + ES

3ª pessoa do singular: sem desinências

1ª pessoa do plural: Radical + MOS

2ª pessoa do plural: Radical + DES

3ª pessoa do plural: Radical + EM

10 DICAS DE COMO ESTUDAR E APRENDER

10 DICAS PARA PASSAR EM UM CONCURSO PÚBLICO

COMO ESTUDAR COM SONO

10 ERROS COMUNS QUE OS CONCURSEIROS DEVEM EVITAR

Gerúndio: pode servir como adjetivo ou advérbio. A ação está acontecendo no momento que se fala.

Ex.: eu estou falando com você

Na escola havia meninos vendendo picolés (função de adjetivo)

Quando estava saindo de casa, vi um carro branco. (função de advérbio).

Particípio: Resultado de uma ação que terminou, podendo flexionar em gênero número e grau. È usado na formação dos tempos compostos.

O João tem dormido cedo nas últimas semanas.

 

Vozes verbais

Voz é a forma que o verbo assume para indicar se o sujeito é agente ou paciente da ação.

São três as vozes verbais: ativa, passiva e reflexiva.

Voz Ativa:

É quando o sujeito é agente, ou seja, pratica a ação expressa pelo verbo.

Meu pai comprou o cinto.

Pai: sujeito agente

Comprou: ação

o cinto: objeto (paciente)

Voz Passiva:

É quando o sujeito sofre a ação verbal. Mostra que o sujeito gramatical é o paciente de uma ação que é praticada pelo agente da passiva.

Ela pode ser classificada em voz passiva analítica e voz passiva sintética.

Voz passiva analítica

Na voz passiva analítica, as frases têm a seguinte forma:

O sujeito paciente + verbo auxiliar + particípio do verbo principal + o agente da passiva

Exemplo: O cinto foi comprado pelo meu pai

O cinto: sujeito paciente

Foi: Verbo auxiliar

Comprado: ação (particípio do verbo principal)

Meu pai: agente da passiva

Voz passiva sintética

Na voz passiva sintética, as frases têm a seguinte forma:

Verbo na 3ª pessoa + pronome apassivador se + sujeito paciente

Exemplo: Comprou-se o cinto.

Comeu: verbo na 3ª pessoa

Se: pronome apassivador

O cinto: sujeito paciente

Comeu-se o bolo.

Comprou-se o chapéu.

Leram-se os livros.

Voz Reflexiva

É quando o sujeito pratica e recebe a ação, ou seja, é ao mesmo tempo agente e paciente da ação.

Exemplo: Arthur feriu-se ao cair da bicicleta.

Passar da voz ativa para a voz passiva

Exemplo: Karen Uhlenbeck recebe o Prêmio Abel 2019 – Voz ativa

Sujeito: Karen Uhlenbeck. Ela que praticou a ação do verbo

VTD: Recebe

OD: o Prêmio Abel 2019.

O Prêmio Abel 2019 é recebido por Karen Uhlenbeck – Voz passiva

O Prêmio Abel 2019 (OD que virou sujeito da passiva) é (verbo ser no mesmo tempo/modo) recebido(particípio) por Karen Uhlenbeck (Sujeito da ativa que vira agente da passiva).

O que aconteceu?

O sujeito da voz ativa se transforma em agente da passiva.

O objeto direto da voz ativa se transforma no sujeito da passiva.

O verbo transitivo da voz ativa se transforma em locução verbal (verbo auxiliar ser + particípio do verbo principal).

Se gostou do artigo faça um comentário e se inscreva no site para receber todas as atualizações

Dica: Para você que não está encontrando o conteúdo que precisa ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada no site Apostilas Opção, lá eles tem praticamente todas as apostilas atualizadas de todos os concursos abertos. Caso queira saber por que indico as Apostilas Opção clique aqui!

CONFIRA AQUI AS MELHORES APOSTILAS DO MERCADO!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *