Questão 01 Enem 2014 1º Dia Ciências Humanas

Questão 01 Enem 2014 1º Dia Ciências Humanas

MAPA DA POSTAGEM:


Esta postagem foi desenvolvida da seguinte forma: Primeiro coloquei a questão e ao final dela a solução com a explicação.

No final coloquei um vídeo legal que é pra dar uma relaxada.

Recomendo alguma postagem que você pode se interessar:

Como se preparar para a prova do Enem

Como estudar para concurso público

português completo

E você, qual o concurso você vai fazer? Deixe um comentário para mim, pois posso fazer postagens direcionadas para ele e te ajudar mais. Aproveita também para inscrever seu e-mail para receber conteúdos todos os dias.

Dica: Para você que não esta encontrando o conteúdo que precisa ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada no site Apostilas Opção, lá eles tem praticamente todas as apostilas atualizadas de todos os concursos abertos. Caso queira saber por que indico as Apostilas Opção clique aqui!

Bons estudos!


Branca:001      Azul:  007      Rosa:  030        Amarela: 042

Questão 01 Enem 2014  1º Dia Ciências Humanas

Mas plantar pra dividir
Não faço mais isso, não.
Eu sou um pobre caboclo,
Ganho a vida na enxada.
O que eu colho é dividido
Com quem não planta nada.
Se assim continuar
vou deixar o meu sertão,
mesmo os olhos cheios d’água
e com dor no coração.
Vou pro Rio carregar massas
pros pedreiros em construção.
Deus até está ajudando:
está chovendo no sertão!
Mas plantar pra dividir,
Não faço mais isso, não.

VALE. J.; AQUINO. J. B. Sina de caboclo. São Paulo: Polygram. 1994 (fragmento).

No trecho da canção, composta na década de 1960, retrata-se a insatisfação do trabalhador rural com:

a) a distribuição desigual da produção.
b) os financiamentos feitos ao produtor rural.
c) a ausência de escolas técnicas no campo.
d) os empecilhos advindos das secas prolongadas.
e) a precariedade de insumos no trabalho do campo.

 

Veja o vídeo abaixo para dar uma relaxada .

No final da postagem está a resolução e resposta da questão:

Resolução

Nos versos da canção apresentados, o autor sugere que o agricultor pobre tem de dividir o parco resultado da produção com quem não planta – seguramente o proprietário da terra – “O que eu colho é dividido/Com quem não planta nada. Esta situação de exploração do trabalhador rural é um dos determinantes do processo de migração dele para as cidades.

Resposta: A – a distribuição desigual da produção

Fonte: http://ediensino.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *