Menu fechado

As revoluções inglesas do século XVII

APOSTILA PARA TODOS OS CARGOS PC-ES 2019

APOSTILA PARA TODOS OS CARGOS PREFEITURA DE CURITIBA 2019

APOSTILA PARA PROFESSOR ADJ.ED. INFANTIL SME-RJ 2019

APOSTILA PARA TODOS OS CARGOS SMS-RJ 2019

As revoluções inglesas do século XVII

Devido a uma guerra civil e da atuação do Parlamento, a burguesia inglesa conseguiu combater o Estado absolutista desse país e reformular a estrutura política, que culminaria na modelo da Monarquia Parlamentarista em 1688.

A Revolução Inglesa foi um processo histórico ocorrido na Inglaterra, Escócia e Irlanda no século XVII.

A Revolução Inglesa pode ser dividida em quatro fases principais:

A Revolução Puritana e a Guerra Civil, de 1640 a 1649;

A República de Oliver Cromwell, de 1649 a 1658;

A Restauração da dinastia Stuart, com os reis Charles II e Jaime II, de 1660 a 1688;

A Revolução Gloriosa, que encerrou o reinado de Jaime II e instituiu a Monarquia Parlamentarista.

 

Antecedentes: absolutismo monárquico das dinastias Tudor e Stuart

No século XVI a burguesia inglesa, os nobres e os reis que pertenciam à dinastia Tudor (Henrique VIII e sua filha Elizabeth), consolidaram a Reforma Anglicana. A reforma religiosa de Henrique VIII proporcionou grandes benefícios financeiros tanto para nobres quanto para burgueses da Inglaterra.

A ruptura com a igreja católica isentou a Inglaterra de pagar tributos para Roma.

A marinha inglesa rivalizou  com os navios dos países católicos, principalmente com os espanhóis.

Com isto a burguesia tinha muita força na Câmara dos Comuns (uma das câmaras do Parlamento Inglês, que tinha como oposição a Câmara dos Lordes, isto é, dos nobres apoiadores da Coroa).

O problema é que essa força adquirida pela burguesia estava associada ao puritanismo (o calvinismo inglês), que era a religião que mais atraía a burguesia e que dava suporte ideológico para o radicalismo político antiabsolutista.

Tanto os nobres como a coroa se sentiam ameaçados pela burguesia puritana que estava cada vez mais rica.

Os monarcas que sucederam os Tudor, isto é, os Stuart, perceberam que, se não freassem a burguesia no campo político, a estrutura monárquica estaria fadada à ruína.

O primeiro monarca da dinastia Stuart foi Jaime I com a intenção de controlar a ascensão da burguesia aumentou os impostos e passou a ter participação nos rendimentos burgueses através de monopólios e passou a perseguir os puritanos.

Quando o filho de Jaime I subiu ao trono tentou subir novamente os impostos, mas a câmara dos Comuns foi contra e foi dissolvida pelo rei.

Em 1640, Carlos I entrou em um novo conflito contra a Escócia e precisou novamente do tributo dos burgueses para bancar a guerra, convocando, assim, mais uma vez, o Parlamento. Novamente a Câmara dos Comuns recusou-se a ajudá-lo. Mas ao contrário do que ocorrera antes, os burgueses puritanos prepararam-se para um enfrentamento total contra o rei e a nobreza.

Oliver Cromwell, um líder radical puritano organizou um exército burguês conhecido como exército dos “Cabeças redondas” por se recusarem a usar as perucas dos nobres. Esse exército deflagrou guerra contra a Coroa, que foi defendida pelos “Cavaleiros”, isto é, o exército tradicional da nobreza. Teve assim início a Revolução Puritana, ou Guerra Civil Inglesa.

 

A Revolução Puritana e a Guerra Civil, de 1640 a 1649

Durante o reinado de Charles I houve muitas brigas entre o rei e o Parlamento.

O Rei na tentativa de unir as igrejas da Inglaterra e Escócia tentou impor aos escoceses o Book of Common Prayer (Livro de oração comum), que é o livro de preces da Igreja da Inglaterra. Os escoceses não aceitam e se rebelam, fazendo o rei lutar contra eles.

Mas para guerrear o rei precisava aumentar impostos e acabou brigando com o parlamento e com isto, entrou em guerra com o parlamento. Com a vitória do parlamento e morte do rei Charles I foi instituído a primeira e única experiência republicana na Inglaterra.

 

A República de Oliver Cromwell, de 1649 a 1658

Após a execução do rei Charles I, Oliver Cromwell, antigo membro do Parlamento, assume o governo britânico e instaura a Commonwealth. Um dos primeiros atos de Cromwell beneficiou diretamente a burguesia que o apoiava.

Em 1650, ele estipulou os Atos de Navegação, que determinava que os produtos ingleses deveriam ser transportados somente por navios de bandeira inglesa. Isto dispensava navios de outra nacionalidade e fomentava a indústria naval interna.

No entanto, o próprio Cromwell sentia-se ameaçado pelo Parlamento e o fecha em 1653. Também manda prender e executar os chefes do Exército burguês que ele mesmo mandara formar. Ainda consegue colocar seu filho, Richard, frente ao governo.

 

Sem o mesmo prestígio que o pai, a própria burguesia pede a volta da monarquia. Em 1660, Charles II, volta ao trono e restaura a dinastia Stuart na Inglaterra.

 

A Restauração da dinastia Stuart, de 1660 a 1688

Os irmãos Charles e Jaime restauraram a família Stuart no trono inglês

Com a restauração dos Stuart, os problemas religiosos e políticos não acabam.

O rei Charles II era abertamente favorável a uma política de tolerância religiosa, mas o Parlamento, dominado pelos protestantes era contra.

Igualmente, o soberano assina leis que favorecem a Igreja Anglicana em detrimento de outras correntes do protestantismo e da Igreja Católica.

A disputa entre o Parlamento e o Rei se aprofundou quando se descobriu que o irmão de Charles II, Jaime, era católico.

Isto fez surgir duas vertentes políticas que até hoje existem na política britânica:

Whigs: desejavam excluir Jaime da linha de sucessão ao trono;

Tory: não queriam excluir Jaime da linha de sucessão ao trono.

Naturalmente, o rei Charles II se alinhou aos Tories desencadeando uma perseguição aos Whigs. Como não teve filhos com sua esposa e Jaime o sucederia, as sobrinhas tiveram que ser criadas como protestantes.

 

Revolução Gloriosa (1688)

A Revolução Gloriosa encerra um período de revoluções na Inglaterra iniciado pela Revolução Puritana.

Religião e política estavam intimamente ligadas nesta época. A crença do indivíduo determinava a sua posição política e por isso era tão importante definir qual seria a religião do reino e do soberano.

Por isso, a burguesia só via com bons olhos o fortalecimento da religião protestante que defendia a limitação do poder do monarca através do Parlamento.

Desta maneira, o católico Jaime II sempre foi visto com desconfiança. O Parlamento conspira para que o trono seja entregue a seu sobrinho Guilherme que havia se casado com sua filha, a princesa Maria II.

Jaime II foge para França. Por sua vez, Guilherme e Maria são recebidos como reis na Inglaterra. Em seguida, é instituída a monarquia parlamentarista que limita consideravelmente o poder do soberano no governo.

APOSTILA PARA FORMAÇÃO DE SARGENTO FAB 2019

APOSTILAS PARA TODOS OS CARGOS IFPB 2019

APOSTILA PARA ASSISTENTE DE ADMINISTRAÇÃO UFAC 2019

CONFIRA AQUI AS MELHORES APOSTILAS DO MERCADO!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *