Menu fechado

Categoria: História

Democracia e rupturas democráticas na segunda metade do século XX. Parte 2

Democracia e rupturas democráticas na segunda metade do século XX. Parte 2

 

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

Café Filho: 1954 a 1955

Após o suicídio de Vargas tivemos 1 ano de governo de Café filho.

João Fernandes Campos Café Filho foi presidente do Brasil entre 24 de agosto de 1954 e 8 de novembro de 1955.

Democracia e rupturas democráticas na segunda metade do século XX. Parte 1

Democracia e rupturas democráticas na segunda metade do século XX. Parte 1

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

 

1945 a 1964 República Liberal Populista (Quarta República)

Com o fim da Era Vargas (1930–1945), o Brasil viveu o que chamamos de República Liberal Democrática (1945–1964).

Principais presidentes deste período:

Eurico Gaspar Dutra: 1945 a 1950

Getúlio Vargas: 1950 a 1954

O Estado Getulista – Parte 1

O Estado Getulista – Parte 1

 

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

Revolução de 30

Revolução de 1930 foi o movimento armado, liderado pelos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraíba, que culminou com o golpe de Estado, também conhecido como Golpe de 1930, que depôs o presidente da República Washington Luís e impediu a posse do presidente eleito Júlio Prestes e com a posse de Vargas em novembro de 1.930, definiu o fim da República Velha.

Primeira República: elite agrária e a política da economia cafeeira Parte 2

Primeira República: elite agrária e a política da economia cafeeira Parte 2

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

1.898 a 1.902 – Segundo presidente civil – Campos Sales

Política dos governadores:

Imagem retirada do concurso: Ano: 2022 Banca: INSTITUTO AOCP Órgão: Câmara de Bauru – SP

A política dos governadores, ou política dos estados, foi um acordo durante os primeiros anos da República Velha (1889-1930).

Ela mostrava o poder das oligarquias estaduais na primeira república. Onde o Governo Federal apoiava os governos estaduais sem restrições e, em troca, eles faziam uso de seus coronéis (ver coronelismo) e elegiam bancadas pró-Governo Federal, de forma que nem o governo federal, nem os governos estaduais, enfrentassem qualquer tipo de oposição.

Da independência à República – Parte 2 – Formação do Brasil contemporâneo

Da independência à República – Parte 2 – Formação do Brasil contemporâneo

 

Complementação da parte 1 Da independência à república.

Fiz uma análise de dezenas de questões de 2024, 2023 e 2022 e percebi que alguns assuntos relevantes do período que abordei no vídeo anterior ficaram de fora. Por isso, este vídeo é uma complementação da parte 1.

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

Da manufatura às máquinas: etapas da Revolução Industrial

Da manufatura às máquinas: etapas da Revolução Industrial

 

Manufatura

Antes de iniciar a revolução industrial a produção era manufatureiro, ou seja, a produção era manual (artesanal)

 

Caso preferir, no vídeo abaixo tem esta postagem em áudio e vídeo

 

Maquinofatura

Posteriormente a manufatura foi substituída pela maquinofatura, diminuindo em muito a necessidade de mão de obra, pois as máquinas faziam todo o processo sozinha. Aqui começa a Revolução industrial.