Regência nominal e verbal

Regência nominal e verbal

Regência nominal e verbal

A sintaxe de regência estuda as relações entre um nome ou um verbo e seus complementos. Há dois tipos de regência:

Regência nominal;

Regência verbal.

Regência nominal

Estuda as relações em que os nomes – substantivos, adjetivos e advérbio – exigem complemento para completar-lhes o sentido. Geralmente, essa relação entre o nome e seus complementos é estabelecida pela presença de preposição.

Exemplo:

Ele tem aversão à altura .

TR              Tr

Ficamos contentes por você.

TR             Tr

Os alunos votaram favoravelmente ao projeto.

TR                         Tr

Observação: Há nomes que admitem mais de uma preposição.

Exemplo:

Tenha amor a seus filhos.

Renato não morria de amor por Paula.

A seguir veremos a relação de alguns nomes e as suas preposições mais usuais:

Acostumado com, a. Alheio a.
Ansioso para, por. Apto a, para.
Contente com, por, de, em. Falta a, com, para com.
Inofensivo a, para. Preferível a, para.
Próximo a, de. Situado a, em, entre.

REGÊNCIA VERBAL

É o modo pelo qual o verbo se relaciona com os seus complementos.

Exemplo:

Todos criticaram a professora.

TR               Tr

Há verbos que admitem mais de uma regência:

Ela não esquecia as flores recebidas.

Ela não se esquecia das flores recebidas.

A seguir veremos a regência de alguns verbos:

ABDICAR

Pode significar renunciar, desistir. Pode ser um verbo intransitivo, transitivo direto ou transitivo indireto.

Exemplo:

O rei abdicou.

VI

Não abdicarei dos meus direitos.

VTI

AGRADAR

No sentido de contentar, satisfazer é transitivo indireto.

Exemplo:

O jogo não agradou ao técnico.

O convite não lhe agradou.

Observação: também é possível aparecer com objeto direto.

AGRADECER

Continua na parte 2

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *