Administração de Materiais e Patrimônio – Parte 2

Administração de Materiais e Patrimônio – Parte 2

Processos que levam da classificação à codificação:

Catalogação: Consiste no arrolamento de todos os itens existentes de maneira a não omitir nenhum deles. A catalogação permite uma apresentação conjunta de todos os itens, proporcionando uma ideia geral da coleção.

Simplificação: Significa a redução da grande diversidade dos itens empregados para uma mesma finalidade. Existindo mais de um item para o mesmo fim, aplica-se a simplificação escolhendo para uso apenas um. A simplificação favorece a normalização.

Especificação: Diz respeito a descrição pormenorizada das características de um material com a finalidade de identificá-los dos seus similares. Quanto mais detalhada for a especificação, mais informações conter sobre o item, menos dúvida se terá a respeito de sua composição, características e finalidades. A especificação correta facilita a compra do item, o entendimento do fornecedor e a inspeção por ocasião do recebimento.

REGRAS a serem observadas na especificação: Em geral, a descrição deverá ser sempre no singular; A denominação deverá ater-se ao material especificamente e não a sua forma ou embalagem, apresentação ou uso; Deve, sempre que possível, utilizar denominações básicas para materiais da mesma natureza; Utilizar abreviaturas devidamente padronizadas.

Estrutura: Nome; Nome modificador; Características físicas.

Elementos auxiliares ou complementares da especificação: Unidade metrológica; Medidas; Características da fabricação; Características da operação; Cuidados com relação ao manuseio e armazenagem; Embalagem.

OBJETIVOS da especificação: Permitir a identificação do item e facilitar o ato de compra levando o fornecedor a um entendimento claro daquilo que se deseja adquirir. Descrever tecnicamente a qualidade do material ou serviço a ser adquirido.

Normalização: Trata da forma pela qual o material deve ser utilizado em suas diversas aplicações. A palavra deriva de “normas”, que são prescrições sobre o uso dos materiais. Anormalização deve ser fruto do consenso entre as partes. É na essência um ato de simplificação. “É a classe de norma técnica que constitui um conjunto metódico e preciso de preceitos a estabelecer regras para execução de cálculos, projetos, fabricação, obras, serviços ou instalações, prescrever condições mínimas de segurança na execução ou utilização de obras, máquinas ou instalações, recomendar regras para elaboração de outras normas e demais documentos normativos.” (ABNT). “É o documento elaborado segundo procedimento e conceitos emanados do sistema nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial, conforme Lei nº 5.966/73, e demais documentos legais dela decorrentes.” (CONMETRO). De um modo geral no Brasil as normas visam: a defesa dos interesses nacionais; a racionalização na fabricação ou produção e na troca de bens e serviços, por meio de operações sistemáticas e repetitivas; a proteção dos interesses dos consumidores; a segurança de pessoas e bens; e a uniformidade dos meios de expressão e comunicação.

Tipos de Norma: Rotinas; Fluxogramas; Normas técnicas; Listagem codificada; Norma de uso; Conservação e Manutenção;

Nível de elaboração ou aplicação das normas: Individual; Empresa; Associação; Nacional; Regional; Internacional.

PRINCÍNPIOS fundamentais das normas: A normalização é essencialmente um ato de simplificação; A normalização é uma atividade social, bem como econômica, e sua promoção deve ser fruto de cooperação mútua de todos os interessados; A simples publicação de uma norma tem pouco valor, a menos que ela possa ser aplicada; logo, a aplicação pode acarretar sacrifícios de poucos para o benefício de muitos.

Padronização: É a análise de materiais a fim de permitir seu intercâmbio, possibilitando, assim, redução de variedade e conseqüente economia; É uma forma de normalização que consiste na redução do número de tipos de produtos ou componentes, dentro de uma faixa definida, ao número que seja adequado para o atendimento das necessidades em vigor em uma ocasião; “É a classe de norma técnica que constitui um conjunto metódico e preciso de condições a serem satisfeitas, com o objetivo de uniformizar formatos, dimensões, pesos ou outros elementos de construção, materiais, aparelhos, objetos, produtos industriais acabados, ou, ainda, de desenhos e projetos.” (ABNT, na NB-0).

OBJETIVOS: Diminuir o número de itens no estoque; Simplificação dos materiais; Permitir a compra em grandes lotes; Diminuir o trabalho de compras; Diminuir os custos de estocagem; Reduzir a quantidade de itens estocados; Adquirir materiais com maior rapidez; Evitar a diversificação de materiais da mesma aplicação; Obter maior qualidade e uniformidade.

VANTAGENS: Reduzir o risco de falta de materiais no estoque; Permitir compra em grandes lotes; Reduzir a quantidade de itens no estoque.

Exercício de Fixação:

1- Resuma o que significa Produção?

2- Cite três fontes de recursos naturais?

3- O que é administração de materiais?

4- Quais são seus principais objetivos?

5- Um País com poucos recursos naturais podem ser uma potência econômica? Explique e exemplifique.

6- Descrevam e classifiquem os materiais de uma locadora de vídeo

LOCADORA:

1-      CD

2-      DVD

3-      Fichas de cadastro

4-      Computadores

5-      Impressora

6-      Carteira de Identificação

7-      Banner

8-      Vassoura

9-      Rodo

10-   Balde

11-   Detergente

12-   Lâmpadas

13-   Prateleiras

14-   TV

15-   DVD Player

16-   Balcão de atendimento de madeira

17-   Catálogo

Recursos Patrimoniais

Recursos patrimoniais de uma empresa compreendem:

  • Equipamentos e máquinas (Ferramentas, máquinas operatrizes,caldeiras,veículos,computadores,móveis,etc..)
  • Prédios ( Galpões,escritórios,almoxarifados,etc..)
  • Terrenos ( Compreende o local onde estão suas instalações, suas áreas livres e terrenos vazios que pertençam à empresa)
  • Jazidas ( São localizações onde a empresa tem direitos, poder ou autorização de extração de produtos minerais)
  • Intangíveis (São recursos que não podemos tocar, não tem corpo ou forma física; são patentes, projetos,direitos autorais e marcas.)

São todos os bens necessários para a empresa operar, criar valor e proporcionar satisfação ao cliente. Os bens patrimoniais não são adquiridos todos de uma só vez, mas durante sua existência. Também podemos afirmar que os recursos patrimoniais se dividem em bens móveis e imóveis, a saber:

Móveis (Podem ser movimentados, deslocados de posição sem que percam sua constituição física. Ex.: máquinas, veículos, móveis, etc..)

Imóveis (São aqueles que se forem movidos ou deslocados do local, perdem sua forma física, ou não podem ser deslocados. Ex.: prédios, pontes, terreno, jazidas, etc..

Os recursos patrimoniais, na análise contábil da empresa, fazem parte dos ativos imobilizados.

Classificação e Codificação

Na administração dos recursos patrimoniais uma das atividades mais importantes é registrar e controlar todos os bens patrimoniais de uma empresa.  Com a  classificação podemos identificar suas peculiaridades e funções;para no passo seguinte codificá-los. Com a codificação passamos a ter um histórico, tais como: data de aquisição,preço inicial,localização,vida útil esperada, valor depreciado,valor residual,manutenção realizada e sua previsão de substituição.

Depreciação

Depreciação de um bem do recurso patrimonial é a perda de valor que ele tem decorrente do seu uso, obsolescência ou deterioração. Esta depreciação é controlada e regulada pela Receita Federal, mediante instruções normativas em função do bem e do seu uso diário.

O sistema utilizado pela Receita Federal é linear, ou seja, aquele em que o bem é depreciado em partes iguais durante sua vida útil. Depreciação de um bem do recurso patrimonial é a perda de valor que ele tem decorrente do seu uso, obsolescência ou deterioração. Esta depreciação é controlada e regulada pela Receita Federal, mediante instruções normativas em função do bem e do seu uso diário.

A depreciação linear segue a formula abaixo:

D= Vi – Vr

Pu

Onde : D = Depreciação

Vi = Valor inicial do bem

Vr = Valor Residual do bem

Pu = Período útil de vida do bem

Conforme normas da Receita Federal a tabela de Pu (Período útil do bem) é a seguinte:

Ferramentas manuais – 2 anos (50% ao ano)

Máquinas – 5 anos (20% ao ano)

Móveis e utensílios – 10 anos (10% ao ano)

Edifícios – 20 anos (5% ao ano)

Para entendermos melhor vamos fazer o exercício abaixo:

Qual será a depreciação anual de uma retifica centerless que foi adquirida por R$ 220.000,00 que, de acordo com sua utilização, terá uma vida útil de cinco anos cujo valor residual no final deste período será zero, considerando-se que não haverá registro de inflação no período.

Vi = 220.000,00

Vr = 0

Pu = 5 anos

D = 220.000,00 – 0

5

D= R$ 44.000,00/ano

Inventário Físico

Inventário físico é uma contagem periódica dos materiais/estoques existentes para efeito de comparação com os estoques registrados e contabilizados em controle da empresa. Econômica da máquina. Considerar uma economia sem inflação. Com sua realização fica possível efetuar as conciliações necessárias e identificar possíveis falhas nas rotinas ou de sistemas. A prática mais comum nas empresas são inventários anuais, porém, no mercado se prática em grande escala inventários chamados de rotativo para identificação e correção pontuais.

Divergências

As divergências podem acontecer em fases do processo como: falha nos procedimentos, no recebimento, localização e na conferência de embarque.

Esta matéria foi retirada do site Adquirindo conhecimento

 

 

Dica: Para você que não esta encontrando o conteúdo que precisa ou prefere estudar por apostilas dá uma olhada no site Apostilas Opção, lá eles tem praticamente todas as apostilas atualizadas de todos os concursos abertos. Caso queira saber por que indico as Apostilas Opção clique aqui!

2 Responses »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *