Menu fechado

Instituições do Sistema Financeiro Nacional — tipos, finalidades e atuação

APOSTILA PARA TODOS OS CARGOS PC-ES 2019

APOSTILA PARA TODOS OS CARGOS PREFEITURA DE CURITIBA 2019

APOSTILA PARA PROFESSOR ADJ.ED. INFANTIL SME-RJ 2019

APOSTILA PARA TODOS OS CARGOS SMS-RJ 2019

Instituições do Sistema Financeiro Nacional — tipos, finalidades e atuação.

Composição e ramos do Sistema Financeiro Nacional

Conceito de Sistema Financeiro:

É um conjunto de instituições financeiras e instrumentos financeiros que visam transferir recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas e governo) superavitários para os deficitários.

Ramos do Sistema Financeiro Nacional

O SFN tem três ramos:

1-Moeda, crédito, capitais e câmbio

2-Seguros privados

3-Previdência fechada

Nestes três ramos temos os Órgãos Normativos (Os órgãos normativos determinam regras gerais para o bom funcionamento do Sistema Financeiro Nacional) e os subsistemas de supervisão (As entidades supervisoras trabalham para que os cidadãos e os integrantes do sistema financeiro sigam as regras definidas pelos órgãos normativos) e operativos (Os operadores são as instituições que lidam diretamente com o público, no papel de intermediário financeiro).

Veremos agora os três ramos mais detalhadamente

 

1 – Moeda, crédito, capitais e câmbio:

O principal ramo do SFN lida diretamente com quatro tipos de mercado:

mercado monetário: é o mercado que fornece à economia papel-moeda e moeda escritural, aquela depositada em conta corrente;

mercado de crédito: é o mercado que fornece recursos para o consumo das pessoas em geral e para o funcionamento das empresas;

mercado de capitais: é o mercado que permite às empresas em geral captar recursos de terceiros e, portanto, compartilhar os ganhos e os riscos;

mercado de câmbio: é o mercado de compra e venda de moeda estrangeira.

Este segmento tem como:

 Órgão normativo:

Os órgãos normativos determinam regras gerais para o bom funcionamento do Sistema Financeiro Nacional

Conselho Monetário Nacional

O Conselho Monetário Nacional (CMN) é o órgão superior do Sistema Financeiro Nacional e tem a responsabilidade de formular a política da moeda e do crédito, objetivando a estabilidade da moeda e o desenvolvimento econômico e social do País.

Saiba mais sobre CMN

 

Órgãos Supervisores:

Banco Central do Brasil (BCB ou BACEN) 

Banco Central do Brasil (BC) é o responsável pelo controle da inflação no país. Ele atua para regular a quantidade de moeda na economia que permita a estabilidade de preços. Suas atividades também incluem a preocupação com a estabilidade financeira. Para isso, o BC regula e supervisiona as instituições financeiras.

Saiba mais sobre o BACEN

 

Comissão de Valores mobiliários (CVM): 

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) foi criada em 07/12/1976 pela Lei 6.385/76, com o objetivo de fiscalizar, normatizar, disciplinar e desenvolver o mercado de valores mobiliários no Brasil.

Incentivar a poupança no mercado acionário

Estimular o funcionamento das bolsas de valores e das instituições operadoras do mercado acionário.

Assegurar a lisura nas operações de compra/ venda de valores mobiliários.

Promover a expansão dos negócios do mercado acionário.

Proteger aos investidores do mercado acionário

Saiba mais sobre a CVM

 

ATENÇÃO NESTA INFORMAÇÃO:

As instituições financeiras são classificadas em:

Instituições bancárias ou monetárias: Podem Criar moeda através de depósitos a vista em suas instituições, seriam então os BANCOS COMERCIAIS E BANCOS MÚLTIPLOS.

Instituições não bancárias ou não monetárias: Elas são consideradas ‘não bancárias’ pois não recebem depósitos à vista, nem podem criar moeda (por meio de operações de crédito​). Elas operam com ativos não monetários como ações, CDBs, títulos, letras de câmbio e debêntures.​

 

Operadores:

Supervisionados pelo Banco Central:

Bancos e caixas econômicas

Saiba mais sobre estes bancos

 

Cooperativas de crédito:

Cooperativa de crédito é uma instituição financeira formada pela associação de pessoas para prestar serviços financeiros exclusivamente aos seus associados. Os cooperados são ao mesmo tempo donos e usuários da cooperativa, participando de sua gestão e usufruindo de seus produtos e serviços.

Saiba mais sobre cooperativas de crédito

 

Administradores de consórcio:

A administradora de consórcios é a pessoa jurídica prestadora de serviços com objeto social principal voltado à administração de grupos de consórcio, constituída sob a forma de sociedade limitada ou sociedade anônima.

Saiba mais sobre Administradores de consórcio

 

Corretoras e distribuidoras

  • Corretora de câmbio
  • Sociedade corretora e sociedade distribuidora de títulos e valores mobiliários

Saiba mais sobre estas corretoras e distribuidoras

 

Instituições de pagamentos

Instituição de pagamento (IP) é a pessoa jurídica que viabiliza serviços de compra e venda e de movimentação de recursos, no âmbito de um arranjo de pagamento, sem a possibilidade de conceder empréstimos e financiamentos a seus clientes.

Saiba mais sobre Instituições de pagamentos

 

Demais instituições não bancárias

Agência de Fomento

Associação de Poupança e Empréstimo

Companhia Hipotecárias

Sociedade Crédito, Financiamento e Investimento

Sociedade de Crédito Imobiliário

Sociedade de arrendamento mercantil

Sociedade de Crédito ao Microempreendedor

Saiba mais sobre as demais instituições não bancárias

 

Supervisionados pela CVM:

Bolsa de Valores

Bolsa de Mercadorias e Futuro

 

2 – Seguros privados

 É o ramo do SFN para quem busca seguros privados, contratos de capitalização e previdência complementar aberta.

– mercado de seguros privados: é o mercado que oferece serviços de proteção contra riscos;

– previdência complementar aberta: é um tipo de plano para aposentadoria, poupança ou pensão. Funciona à parte do regime geral de previdência e aceita a participação do público em geral.

– contratos de capitalização: são os acordos em que o contratante deposita valores podendo recebê-los de volta com juros e concorrer a prêmios.

Órgão normativo

Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

O Conselho Nacional de Seguros Privados – CNSP é órgão responsável por fixar as diretrizes e normas da política de seguros privados.

É composto por representantes do Ministério da Fazenda (Presidente), do Ministério da Justiça, do Ministério da Previdência e Assistência Social (*), da Superintendência de Seguros Privados, do Banco Central do Brasil e da Comissão de Valores Mobiliários.

 

Órgão supervisor

Superintendência de Seguros Privados (SUSEP)

A SUSEP é o órgão responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, previdência privada aberta, capitalização e resseguro. Autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda, foi criada pelo Decreto-lei nº 73, de 21 de novembro de 1966.

Operadores

Seguradoras e resseguradores

Entidades abertas de previdência          

Sociedades de capitalização

 

3 – Previdência Fechada

Voltado para funcionários de empresas e organizações. O ramo dos fundos de pensão trata de planos de aposentadoria, poupança ou pensão para funcionários de empresas, servidores públicos e integrantes de associações ou entidades de classe.

Órgão normativo

Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC)

O CNPC é o órgão com a função de regular o regime de previdência complementar operado pelas entidades fechadas de previdência complementar, nova denominação do então Conselho de Gestão da Previdência Complementar.

O CNPC é presidido pelo ministro da Previdência Social e composto por representantes da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), da Secretaria de Políticas de Previdência Complementar (SPPC), da Casa Civil da Presidência da República, dos Ministérios da Fazenda e do Planejamento, Orçamento e Gestão, das entidades fechadas de previdência complementar, dos patrocinadores e instituidores de planos de benefícios das entidades fechadas de previdência complementar e dos participantes e assistidos de planos de benefícios das referidas entidades.

Órgão supervisor

Superintendência Nacional de Previdência complementar (PREVIC)

A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) é uma autarquia de natureza especial, dotada de autonomia administrativa e financeira e patrimônio próprio, vinculada ao Ministério da Fazenda, com sede e foro no Distrito Federal, tendo atuação em todo o território nacional como entidade de fiscalização e supervisão das atividades das entidades fechadas de previdência complementar e de execução das políticas para o regime de previdência complementar operado pelas referidas entidades.

Operadores

Entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão)

ATENÇÃO: Estarei aos poucos aprofundando cada órgão

APOSTILA PARA FORMAÇÃO DE SARGENTO FAB 2019

APOSTILAS PARA TODOS OS CARGOS IFPB 2019

APOSTILA PARA ASSISTENTE DE ADMINISTRAÇÃO UFAC 2019

CONFIRA AQUI AS MELHORES APOSTILAS DO MERCADO!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *